Ministro francês diz que tratado da UE não morreu

O ministro francês de Assuntos Europeusdisse a um jornal na segunda-feira que o tratado da UniãoEuropéia rejeitado pelos irlandeses pode ser salvo caso oprocesso de revisão das instituições do bloco seja atrasado. "Não acho que possamos dizer que o tratado de Lisboa estejamorto, mesmo se o processo de ratificação for atrasado", disseao jornal Le Figaro Jean-Pierre Jouyet, secretário de Estado deAssuntos Europeus. O resultado do referendo irlandês será o grande assunto dacúpula de líderes da União Européia. A França estáparticularmente preocupada, já que se prepara para assumir aPresidência rotativa do bloco de 27 países em julho. A França está entre os países que pedem que o processocontinue, apesar da rejeição ao tratado, aprovado por 18países, mas que precisa da aprovação de todos os 27países-membros para entrar em vigor. "Esperamos que o processo de ratificação continue. Temos deassegurar que os irlandeses tenham tempo para refletir. Comeles, encontraremos uma solução", disse Jouyet. Ele disse que a França continuaria em busca dos objetivosque estabeleceu para sua Presidência apesar da votação, quedeve prolongar as incertezas que surgiram quando a proposta deConstituição para a União Européia, feita em 2005, foirejeitada por irlandeses e franceses. "(A Presidência) não será afetada fundamentalmente", disseele. "Ainda temos os meios para implementar as políticasnecessárias para a Europa." (Reportagem de James Mackenzie)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.