Ministro italiano renuncia após ordem de prisão contra mulher

O ministro da Justiça italiano, ClementeMastella, renunciou na quarta-feira por causa de um mandado deprisão contra a sua mulher. A decisão poderá afetar o governodo primeiro-ministro Romano Prodi, que depende do partido doministro para ter maioria no Parlamento. "Entre o amor pela minha família e pelo poder, escolho oprimeiro", disse Mastella ao Parlamento. A mulher dele, presidente do conselho de governo da regiãoda Campânia, é suspeita de corrupção. Segundo Mastella, aacusação serve para desacreditá-lo. O agora ex-ministro lidera um pequeno partido católico queparticipa da coalizão de Prodi e tem três vagas no Senado, ondea maioria do governo é de apenas dois senadores. Por isso, ogabinete de Prodi pode cair caso o partido Udeur o abandone. Em um discurso pontuado por lágrimas, Mastella não falousobre ficar ou não na coalizão, mas disse que a renúncia otorna "mais livre em termos humanos e políticos". Mastella era um dos nomes mais conservadores do governo ehavia tido vários atritos com a ala esquerdista, o que já ohavia levado a ameaçar derrubar o governo. O mandado de prisão contra Sandra Lonardo foi expedido naquarta-feira. "Acho que este é um preço amargo que meu marido eeu estamos pagando por nossa defesa dos valores católicos e dosprincípios de moderação e tolerância contra o fanatismo e oextremismo", disse ela à agência Ansa. Mastella já havia sido ministro no gabinete direitista deSilvio Berlusconi e despertara polêmica em 2000 por serpadrinho de casamento de um mafioso confesso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.