Ministro sérvio diz que Kosovo proclamará independência

Samardzic afirmou que governo tem informações que líderes kosovares proclamarão independência dia 17

Efe,

08 de fevereiro de 2008 | 11h41

O ministro sérvio para o Kosovo, Slobodan Samardzic, disse nesta sexta-feira, 8, que seu Governo tem informações de que os líderes albano-kosovares proclamarão a independência unilateral dessa província da Sérvia em 17 de fevereiro. "O Governo recebe cada vez mais informações relevantes de que Hashem Thaçi (o primeiro-ministro kosovar) proclamará no domingo, 17 de fevereiro, de forma ilegal e unilateral, a independência do Kosovo", disse o ministro em comunicado, sem especificar as fontes dessas informações. A nota foi divulgada pelo escritório de imprensa governamental após uma reunião de Samardzic, em Belgrado, com o funcionário da União Européia (UE) Stefan Lehne, assessor do alto representante para Política Externa e Segurança Comum do bloco, Javier Solana. Samardzic disse que a UE "está tentando a todo custo assinar antes do dia 17 com a Sérvia qualquer acordo, porque, dessa forma, a firma da Sérvia seria na realidade uma assinatura para a independência do Kosovo". Segundo o ministro, com esse documento, a Sérvia justificaria a segregação de 15% de seu território e a violação flagrante da Carta da ONU e da resolução 1.244 do Conselho de Segurança sobre o Kosovo. "Com a assinatura de qualquer acordo com a UE neste momento, a Sérvia daria seu consentimento à criação de um Estado falso em seu território". Samardzic disse que o primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, "nunca dará uma assinatura assim da Sérvia, e a UE não pode esperar que pouco antes da proclamação da independência unilateral do Kosovo, que está anunciada para 17 de fevereiro, a própria Sérvia firme essa independência". Os albaneses, que são uma contundente maioria da população no Kosovo, finalizam os preparativos para proclamar a independência, em coordenação com a UE e os Estados Unidos, e esperam ser reconhecidos, apesar da oposição da Sérvia e de não ter o sinal verde do Conselho de Segurança da ONU. A aparente inclinação de muitos países europeus a apoiar essa independência unilateral gerou nos últimos dias uma crise no Governo sérvio, depois que Kostunica se negou a assinar um acordo político e comercial com a UE, oferecido recentemente. Os outros membros da coalizão governamental, liderados pelo presidente sérvio, Boris Tadic, acham que a aproximação da Sérvia à UE e a solução do estatuto do Kosovo são assuntos separados, e são a favor da assinatura do mencionado acordo.

Tudo o que sabemos sobre:
KosovoSérviaUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.