Ministro turco não vê urgência de incursão no Iraque

Segundo Vecdi Gonul, antes de ação é preciso localizar exatamente os militantes do PKK no Iraque

Reuters,

21 de outubro de 2007 | 16h57

O ministro da Defesa turco minimizou os rumores de uma incursão iminente no norte do Iraque para enfrentar os rebeldes curdos após um ataque que matou pelo menos 17 soldados da Turquia.   Perguntado se haveria uma reação militar aos ataques deste domingo, Vecdi Gonul disse: "Não urgentemente. Elas (tropas turcas) estão planejando atravessar a fronteira (em uma incursão)."   "Nós gostaríamos de fazer isso com os norte-americanos", disse Gonul, em entrevista em Kiev, na Ucrânia, após uma reunião com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates.   Gates disse que a Turquia precisa localizar exatamente os militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no Iraque antes que qualquer grande ação militar seja realizada.   Na mesma linha das declarações de Gonul, Gates disse não acreditar que uma grande operação para atravessar a fronteira através de Ancara seja iminente, e afirmou também que Gonul deixou implícito que há relutância em agir unilateralmente contra o PKK.   Perguntado se era capaz de afirmar com certeza que a Turquia não planeja enviar soldados para além da fronteira com o Iraque, Gates disse que não. "Mas eu não tive a impressão de era iminente", explicou.   Em protesto contra os ataques curdos, simpatizantes do partido ultra-nacionalista turco MHP foram às ruas neste domingo,  gritando frases contra o terrorismo , na praça Taskim de Istambul.  

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.