Morre Ian Paisley, ativista político da Irlanda do Norte

O clérigo protestante Ian Paisley, cuja improvável aliança com rivais católicos ajudou a trazer uma paz à Irlanda do Norte, morreu nesta sexta-feira aos 88 anos, informou sua família.

REUTERS

12 de setembro de 2014 | 22h02

Como líder principal do Unionismo, que desejava manter ligações com o Reino Unido, Paisley era rigorosamente contra qualquer concessão ao desejo da comunidade católica nacionalista, principalmente, para estreitar os laços com a República da Irlanda ao Sul.

Mas, em uma dramática reviravolta, há sete anos, Paisley concordou em dividir o poder com antigos inimigos para se tornar o primeiro-ministro no governo descentralizado da Irlanda do Norte.

"Acho que nós confundimos o mundo com ele, um político pró-britânico, pró-unionista, ser capaz de trabalhar com um espírito positivo comigo mesmo, um Republicano Irlandês", disse o ex-comandante do Exército Republicano Irlandês Martin McGuinness, que se tornou o vice de Paisley.

"Uma amizade cresceu a partir disso, e é uma amizade que durou até hoje," disse McGuinness, vice-primeiro-ministro da província, à emissora nacional RTE irlandesa.

A família de Paisley disse que ele morreu na sexta-feira e que um funeral privado será realizado nos próximos dias.

"O meu amado marido, Ian, entrou em seu descanso eterno esta manhã", disse sua esposa Eileen em um comunicado.

A família não especificou a causa da morte. Paisley tinha um histórico de problemas cardíacos e ficou doente com problemas cardíacos em 2005, escrevendo mais tarde que ele estava "andando na sombra da morte".

(Por Maurice Neill)

Mais conteúdo sobre:
IRLANDAMORREPACIFICADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.