Morre Lambsdorff, que criou fundo para vítimas do nazismo

O Conde Otto Lambsdorff, que ajudou a angariar 5 bilhões de dólares para compensar pessoas que trabalharam como escravos durante o regime nazista, morreu aos 82, de acordo com o partido Democratas Livres (FDP, na sigla em alemão.

ERIK KIRSCHBAUM, REUTERS

06 Dezembro 2009 | 16h38

Lambsdorff, cuja carreira ministerial foi interrompida por um escândalo relacionado ao financiamento do partido na década de 80, morreu num hospital em Bonn no sábado. Ele foi chefe do FDP entre 1988 e 1993 e desde então é presidente honorário.

"Ele teve uma influência tremenda sobre as políticas econômicas do partido por muitos anos e será lembrado como uma das grandes personalidades da nossa economia de mercado social", disse a chanceler Angela Merkel, que também elogiou seu trabalho para compensar as pessoas forçadas a trabalhar para os nazistas como escravos.

Lambsdorff, que perdeu uma perna quando tinha 18 anos num bombardeio já no fim da Segunda Guerra, teve uma longa e polêmica carreira nas coalizões políticas alemãs.

De 1977 a 1984, ele foi ministro da economia, primeiro sob o chanceler Helmut Schmidt, dos social-democratas, e depois sob Helmut Kohl, do Partido Democrata Cristão.

Após ter sido forçado a renunciar em 1984 por causa de um escândalo relacionado a contribuições de campanha, ele continuou a ser uma figura poderosa no FDP e seus pontos de vista sobre política econômica eram muito respeitados.

Fora da Alemanha ele é talvez melhor conhecido por seu trabalho para compensar 1,66 milhão de ex-escravos por seu sofrimento sob o regime de Adolf Hitler.

Críticos e admiradores elogiaram Lambsdorff por assumir o difícil posto de homem de contato no governo em 1999. O chanceler Gerhard Schroeder nomeou-o seu chefe de negociação para levantar fundos com a indústria alemã para compensar os sobreviventes, apesar de o FDP na época estar na oposição e de todos os governos anteriores terem evitado a questão.

Apesar de ser criticado inicialmente por grupos de judeus e sobreviventes do Holocausto, que alegavam que o fato de Lambsdorff haver servido ao exército durante a guerra o desqualificava para o posto, ele ganhou admiração por causa de seu desempenho rápido e eficiente.

Sob um acordo assinado em 2000, o governo alemão e a indústria concordaram em dividir 5 bilhões de dólares em compensação às vítimas.

Otto Friedrich Wilhelm von der Wenge Lambsdorff nasceu numa família aristocrática em 20 de dezembro de 1926. Ele foi chamado para servir o exército aos 18 anos. Depois da Segunda Guerra ele estudou Direito e Ciências Políticas.

Sua carreira começou na política local em 1953. Ele foi membro do parlamento de 1972 a 1988. Ele foi um dos principais atores na decisão do FDP de deixar a coalizão de apoio aos social-democratas de Schmidt para apoiar os democratas cristãos de Kohl em 1982.

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHALAMBSDORFF*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.