AP
AP

Mortos na Itália chegam a 272; população 'acampa', diz premiê

Berlusconi diz que desabrigados devem encarar situação como 'fim de semana de camping'; 16 crianças morreram

Agências internacionais,

08 de abril de 2009 | 09h17

O número de mortos no terremoto que atingiu a região central da Itália no final da noite de domingo subiu para 272, dos quais seis ainda não foram identificados, informou na tarde desta quarta-feira, 8, a Guarda de Finanças da cidade de Áquila, cujas instalações estão servindo como necrotério. Mais cedo, o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, já tinha anunciado o aumento para 260 mortos, entre eles 16 crianças.

 

Pouco antes de anunciar a nova cifra de vítimas do tremor, o premiê aconselhou os sobreviventes a encarar a tragédia "como um fim de semana de camping". Em declarações para uma televisão alemã, Berlusconi assegurou que os desabrigados, cuja grande maioria estão instalados em barracas, contam com tudo o que precisam. "Eles têm medicamentos. Eles têm comida quente. Eles têm abrigos para a noite", mostra o vídeo da rede alemã.

 

Em entrevista coletiva na cidade de Áquila, o premiê afirmou ainda que nove vítimas ainda não foram identificadas. Segundo ele, quase 28 mil pessoas estão desabrigadas por conta do forte terremoto que destruiu as cidades na região de Abruzzo, e que cerca de 17 mil estão instaladas em tendas de acampamento em campos improvisados, onde enfrentam as baixas temperaturas.

 

Veja também:

linkAção rápida aumenta aprovação de Berlusconi

linkOnna, o vilarejo que foi riscado do mapa

linkNão há vítimas brasileiras na Itália, diz Itamaraty

linkAutoridades ignoraram alerta de terremoto na Itália

linkPerda de patrimônio cultural amplia catástrofe em Áquila 

email Está na Itália? Envie seu relato

lista Brasileiros contam como enfrentaram o tremor

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Fotos: Veja as imagens

video TV Estadão: Vídeo mostra a destruição em Áquila

 

"Não lhes falta nada.... Com certeza, seu abrigo atual é provisório, mas deve-se encarar como um fim de semana num camping", afirmou Berlusconi para a N-TV enquanto fotografias dos acampamentos mostram centenas de pessoas dormindo em tendas, edifícios em ruínas, hospitais superlotados e buscas desesperadas entre os escombros por sobreviventes.

 

Fortes réplicas - tremores de menor intensidade que sucedem ao mais intenso - têm causado mais medo aos moradores, enquanto as equipes de resgates tentam resgatar as vítimas soterradas. Trata-se de réplicas que chegaram a 3,5 e 3,7 graus de magnitude na escala Richter. O primeiro tremor aconteceu às 5h (meia-noite, Brasília), enquanto o segundo ocorreu às 6h27 (1h27). Desde a segunda-feira, especialistas registraram 430 tremores nessa região da Itália.

 

 

 

O funeral oficial das vítimas deve acontecer na próxima sexta-feira, como noticia a imprensa local. O ministro de Relações com o Parlamento, Elio Vito, assegurou que o Conselho de Ministros declarará em breve um dia de luto nacional pelas vítimas da catástrofe e, embora não tenha antecipado, deve coincidir com o dia do funeral, previsto para a Sexta-Feira Santa.

 

O papa Bento XVI anunciou nesta quarta que visitará a região italiana de Abruzzo, abalada por um forte terremoto no final da noite do último domingo, "o mais rápido possível", segundo o texto que pronunciou durante a tradicional audiência das quartas-feiras. O pontífice acrescentou que "a solicitude com que as autoridades locais e as forças da ordem estão socorrendo estes irmãos demonstra quão importante é a solidariedade para superar algo tão doloroso". "Mais uma vez desejo dizer, queridos filhos, que o papa compartilha de suas preocupações".

 

Atualizado às 15h59 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.