Mulher é expulsa de museu em Veneza por usar véu islâmico

Vigilante proíbe turista de entrar em exposição por regulamento que impede visita com o rosto coberto

Efe,

27 de agosto de 2008 | 11h15

Um vigilante da galeria de arte Ca' Rezzonico de Veneza expulsou uma mulher que tinha entrado no local com o rosto coberto por um véu islâmico, que só exibia seus olhos, informa nesta quarta-feira, 27, a imprensa italiana. A turista visitou no domingo passado o museu e não teve qualquer problema para na entrada e nas bilheterias do museu. No entanto, um dos seguranças se dirigiu a ela enquanto percorria as salas e afirmou que ela teria de tirar o véu ou abandonar o local, já que o regulamento impede o acesso com o rosto coberto. A direção do museu reconheceu que esta proibição está em vigor, mas informou que o segurança não trabalhará mais no museu, pois é preciso interpretar as normas com mais flexibilidade.  Para o responsável dos museus de Veneza, Giandomenico Romanelli, a decisão do vigilante foi "uma iniciativa pessoal e descabida". "É preciso ter respeito às crenças religiosas e culturais", afirmou Romanelli. O presidente da associação de intelectuais islâmicos, Ahmad Gianpiero Vincenzo, disse que o incidente aconteceu por causa da clareza das normas legais na Itália, e disse que "o clima de islamofobia aumenta" no país.

Tudo o que sabemos sobre:
véuItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.