Christophe Petit Tesson/EFE/EPA
Christophe Petit Tesson/EFE/EPA

Na França, fiéis participam de missa de dentro do carro

Parados em um estacionamento foi preciso sintonizar-se com a rádio para escutar toda a eucaristia

Redação, O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2020 | 13h12

Uma "missa em carro", que de acordo com seus promotores foi celebrada pela primeira vez na França, reuniu 500 fiéis católicos neste domingo, 17, em Champagne, cidade que fica a 528 km de Paris.

Cerca de 200 veículos se juntaram à eucaristia convocada pelo bispo local, François Touvet, por volta das 10h30 do horário local, no estacionamento do chamado Capitólio da cidade, o Parque de Exposições de Chalons, cerca de 20 km do centro da cidade. 

A iniciativa será repetida pelo menos nos próximos dois domingos, conforme relatado no site da Diocese de Châlons, que reconhece a inspiracação dessa celebração no conceito de "Drive Thru". 

As medidas de distanciamento social em vigor na França preveem que as reuniões religiosas não possam ser celebradas presencialmente até o próximo 2 de julho. Assim, os líderes da Diocese disponibilizaram aos seus fiéis um protocolo de saúde e segurança para a celebração da missa, como permitir até quatro pessoas por carro (desde que estejam dividindo a casa durante o confinamento) ou proibir a saída do carro. 

Para acompanhar a missa, todos os fiéis tinham que sintonizar na rádio RCF Coeur en Champange, na frequência 88.6 FM, nos dispositivos de seus carros. 

Quem quisesse se comunicar, tinha de acender as luzes de emergência para avisar os padres encarregados de dar a comunhão. Os organizadores publicaram em seu site as músicas planejadas para a eucaristica, as quais os fiéis tinham de levar as letras impressas de casa.  Eles também exigiram que os participantes desinfetassem as mãos antes de comungar, o que foi feito sem sair do carro.

A França permite que as pessoas viajem até cem quilômetros ao redor de suas casas, algo que a Diocese de Châlons não quis desperdiçar para "mostrar criatividade, em conformidade com as normas de saúde, e reunir os fiéis de uma maneira que lhes permita ser estritamente separados".

Desde o início da epidemia, a França teve um total de 27.625 mortes./EFE  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.