Nacionalistas e socialistas estão perto de formar governo sérvio

Acordo pretende desafiar coalizão pró-Ocidente do presidente Boris Tadic e aproximação do país com a UE

Agência Estado e Associated Press,

16 de maio de 2008 | 11h20

Os partidos nacionalista e socialista anunciaram nesta sexta-feira, 16, que estão perto de formar um governo de coalizão. A medida deixaria fora do poder a coligação do atual governo, pró-Ocidente, que obteve mais votos nas eleições parlamentares. Os partidos anti-Ocidente anunciaram ter concordado, na noite de quinta-feira, com uma lista de princípios para um novo governo "nacional". Novos encontros estavam planejados para esta sexta-feira, para preparar os detalhes de um possível acordo, informou a ultranacionalista Gordana Pop Lazic. Um acordo entre o ultradireitista Partido Radical, a Coalizão Popular, do primeiro-ministro Vojislav Kostunica, e os socialistas, partido do ex-presidente Slobodan Milosevic, permitiria aos nacionalistas voltarem ao poder pela primeira vez desde a queda de Milosevic, em 2000. As siglas se juntaram para desafiar a coalizão pró-Ocidente do presidente Boris Tadic. Esse grupo obteve mais votos nas eleições gerais de domingo, mas não o suficiente para governar sozinho. Tadic pediu nesta sexta-feira que os Socialistas se aliem ao seu governo. "Os cidadãos votaram por uma Sérvia forte e estável, com uma clara perspectiva em prol da Europa e não um governo isolacionista", afirmou o presidente em comunicado. Tadic acusou o primeiro-ministro Kostunica de "manipular e mudar o desejo eleitoral da população" para permanecer no poder. "Kostunica quer punir a Sérvia" porque seu grupo teve um resultado eleitoral ruim, acusou Tadic. "Eu defenderei o desejo eleitoral do povo com todos os meios democráticos." Não estava claro, porém, como o presidente poderia evitar uma coalizão nacionalista de formar um governo majoritário. Nessa disputa, está em jogo o desejo de Tadic de aproximar a Sérvia da União Européia, após anos de isolamento internacional sob Milosevic. Os nacionalistas, porém, querem congelar a integração da Sérvia no bloco, pois mais da metade dos países que o formam reconheceram a independência de Kosovo, decretada unilateralmente em fevereiro. Para os sérvios, a província é o berço de sua civilização. Os nacionalistas disseram concordar com os Socialistas sobre os princípios de governo - incluindo uma integração com a Europa, mas desde que Kosovo faça parte do país. Outras prioridades seriam o combate ao crime e à corrupção e o desenvolvimento da economia, indicou o partido em comunicado.  O grupo de Tadic, o Coalizão por uma Sérvia Européia, é apoiada pelo Partido Liberal e por parlamentares húngaros étnicos. Os liberais disseram na sexta-feira que, se os nacionalistas formarem o governo, o grupo pró-Ocidente formaria o que eles chamaram de "governo sombra".

Tudo o que sabemos sobre:
SérviaKosovoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.