Nápoles tira lixo da rua, mas solução final demorará, diz premiê

O primeiro-ministro da Itália, SilvioBerlusconi, disse na sexta-feira que as ruas de Nápoles estavamlivres do lixo em putrefação acumulado ali durante meses, masavisou que o caso só terá a um ponto final dentro de trêsanos. "O processamento industrial completo do lixo levará cercade três anos para ser concluído, o tempo que precisamos paraconstruir os quatro incineradores de que carecemos", afirmou opremiê em um discurso proferido em Roma. A primeira dessas instalações -- que geram eletricidadeusando o lixo como combustível -- estará pronta no final doano, disse. Ao mesmo tempo, Berlusconi mobilizou o Exército para evitarque os lixões criados em caráter emergencial tenham seufuncionamento prejudicado por moradores dessas áreas,indignados com as medidas. A cidade selou contratos temporários para enviar o lixo aoutras partes da Itália e a outros países europeus. Berlusconi deve comparecer a Nápoles na sexta-feira a fimde participar do tradicional encontro do gabinete de governoali, cumprindo a promessa feita na campanha eleitoral de maiode reunir os ministros italianos em Nápoles enquanto a crise dolixo não tivesse sido solucionada. O premiê afirmou que isso se deu, já que as ruas da cidadeestão limpas e os bairros periféricos não se encontram maissufocados pelas pilhas de sacos de lixo fétidos, que osmoradores dessas áreas costumavam queimar durante a noite e queprovocaram várias doenças. "A crise prejudicou a população de Nápoles e da Região daCampânia, prejudicou a população italiana de um modo em geral eprejudicou os nossos setores do turismo e de exportações",disse Berlusconi. O dirigente responsabilizou pelo problema o governo decentro-esquerda que o antecedeu no poder, mas a questãoiniciou-se no mínimo 14 anos atrás, o que inclui ao menos umdos dois mandatos anteriores do atual premiê. "Realizamos nosso primeiro encontro de gabinete em Nápoles,58 dias atrás, e realizaremos outro ali, hoje, quando entãoanunciarei com orgulho que não há mais lixo nas ruas de Nápolese da Campânia", afirmou. Um repórter enviado a Nápoles pela Reuters antes da reuniãode gabinete afirmou que a região central da cidade, ao menos,não convivia mais com os montes de lixo que tanto prejudicarama imagem da Itália no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.