Natascha Kampusch oferece ajuda a austríaca libertada

A austríaca Natascha Kampusch, que ficou oito anos em cativeiro, ofereceu ajuda a Elisabeth Fritzl

Efe

28 de abril de 2008 | 16h27

A austríaca Natascha Kampusch, que ficou conhecida em 2006 após ser libertada depois de oito anos decativeiro em Viena, ofereceu hoje sua ajuda a Elisabeth Fritzl, de 42 anos, que passou os últimos 24 anos presa no porão de sua casa sendo abusada sexualmente por seu pai, com quem teve sete filhos.  Veja também:Austríaco confessa que prendeu e cometeu abusos contra filha "Tive este desejo espontaneamente", disse hoje Natascha à rádio pública austríaca "ORF" sobre o caso da família Fritzl. Natascha explicou que já entrou em contato com as autoridades do Estado da Baixa Áustria, onde, na cidade de Amstetten, fica a casa dos Fritzl e o porão no qual Elisabeth e três de seus filhos estavam reclusos. Natascha disse que deseja conversar com Elisabeth, já que acredita ter vivido uma situação semelhante, e ajudar toda a família com parte do dinheiro que arrecadou nos últimos dois anos. "Por um lado, me preocupo com a família, pois toda a agitação da imprensa certamente não é boa para estas pessoas", declarou a jovem de 20 anos. Segundo Natascha, o apoio financeiro servirá, sobretudo, para educar e reintegrar os filhos e filhas de Elisabeth. "O dinheiro ajuda", pois "é necessário pensar que cresceram ali e que terão dificuldades em suas relações sociais e de outros tipos", declarou Natascha. O pai de Elisabeth, Josef Fritzl, um engenheiro aposentado de 73 anos que foi detido ontem sob a acusação de ter abusado sexualmente de sua filha, confessou hoje ser culpado, embora as autoridades tenham afirmado que ainda existem questões a serem esclarecidas. Três dos filhos de Elisabeth viram a luz do sol pela primeira vez há poucos dias. Segundo investigações policiais, eles nunca foram à escola nem receberam atendimento médico. O caso causou enorme comoção em meio à população austríaca, que recentemente já tinha se chocado com o caso de Natascha Kampusch.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.