Nicarágua reconhece independência de separatistas georgianos

Em discurso, Daniel Ortega ataca 'políticas hegemônicas que tentam criar cerco militar contra a Rússia'

Efe,

03 de setembro de 2008 | 06h14

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, anunciou nesta terça-feira o reconhecimento da independência das regiões georgianas da Ossétia do Sul e da Abkházia. Veja também:Rússia diz que EUA estimularam conflito ao apoiar GeórgiaEntenda o conflito separatista na Geórgia  "Concordamos plenamente com a posição do Governo da Rússia, e acreditamos que esse conflito armado precisa do diálogo com os países europeus para terminar", disse Ortega em discurso durante o encerramento das comemorações do 29º aniversário da constituição do Exército da Nicarágua. O líder sandinista também atacou em seu discurso "as políticas hegemônicas que tentam criar um cerco militar contra a Rússia". "Não basta ao capitalismo global investir enormes somas de dinheiro nas guerras do Afeganistão e Iraque. Agora, também investe milhões através da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para construir um cerco militar contra a Rússia", afirmou. Ortega disse que após o fim da União Soviética (URSS), o Governo da Geórgia lançou uma operação típica dos nazistas para ocupar rapidamente a Ossétia do Sul e a Abkházia, cujos moradores tinham optado por se manter como repúblicas independentes. "Lançaram uma operação que deixou milhares de mortos, feridos e desabrigados, mas a imprensa dominada pelo capitalismo global e as potências hegemônicas não fala sobre isso. Por isso, só restou à Rússia a opção de desdobrar suas forças para garantir a vontade dessas duas nações: a Ossétia do Sul e a Abkházia", insistiu Ortega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.