Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Nikolic e Tadic devem disputar segundo turno na Sérvia

Sérvios votam de olho no futuro de Kosovo e numa aproximação ou não da União Européia

Efe, AP,

20 de janeiro de 2008 | 21h18

Os eleitores na Sérvia compareceram em massa neste domingo, 20, para escolher um presidente, na mais disputada eleição presidencial da história do país. A votação - marcada por comparecimento recorde - poderá determinar se a problemática nação dos Bálcãs vai se aproximar da União Européia ou afundar de volta num isolamento semelhante ao da era do líder autocrático Slobodan Milosevic. Pesa sobre a votação a esperada declaração de independência, no próximo mês, da província separatista do Kosovo - coração medieval da Sérvia, agora dominada por albaneses pró-independência. As primeiras estimativas do Centro para as Eleições Livres e a Democracia (Cesid) indicavam que o nacionalista Tomislav Nikolic e o liberal pró-Ocidente Boris Tadic irão para o segundo turno, previsto para o dia 3 de fevereiro, para definir quem ocupará a presidência do País. Nikolic teria vencido com 39% dos votos, enquanto Tadic obteria 35%. O presidente Boris Tadic, partidário de uma aproximação com o Ocidente, e o nacionalista pró-Rússia Tomislav Nikolic eram os dois únicos candidatos, entre os nove que disputam a eleição, vistos com chances reais de serem eleitos. Nikolic amenizou a retórica nacionalista para atrair os moderados e conta com o apoio daqueles que sentem falta da rede de segurança socialista da era iugoslava. Ele é inflexível na questão de Kosovo e acredita que a Sérvia precisa se equilibrar entre Oriente e Ocidente, atuando como parceira da Rússia e da UE e obtendo o máximo de benefícios dos dois lados. Tadic também rejeita a separação de Kosovo, mas quer melhorar as relações com o Ocidente e garantir o ingresso na UE, apesar do apoio do bloco às ambições separatistas da província. "A aproximação com a UE torna a Sérvia mais forte", disse ele no mês passado. "Só uma Sérvia forte pode proteger seus interesses em Kosovo. Abrir mão do caminho europeu é abrir mão de Kosovo." Segundo o Cesid, os colégios eleitorais fecharam na Sérvia às 20h (17h de Brasília) e até duas horas antes do encerramento da votação 58,2% dos eleitores haviam votado. Em números absolutos, foram mais de 3,9 milhões dos 6,7 milhões de cidadãos com direito a voto, incluindo mais de 100 mil nas regiões do Kosovo controladas pelos sérvios. Os albaneses do Kosovo boicotam as eleições sérvias desde o início dos anos 1990. Foi o maior comparecimento às urnas desde 2000, quando Milosevic perdeu o poder, e mais do que em 2004, quando Nikolic superou Tadic no primeiro turno, mas perdeu no segundo. 

Tudo o que sabemos sobre:
SÉRVIANIKOLICTADIC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.