No Brasil, Merkel se diz disposta a cumprimentar Chávez

A primeira-ministra alemã, AngelaMerkel, minimizou na quarta-feira em Brasília uma rixa com opresidente da Venezuela, Hugo Chávez, e disse que será capaz delidar com ele sozinha e que vai cumprimentá-lo na cúpula destasemana no Peru. Na semana passada, Chávez disse que Merkel era descendentepolítica de Adolf Hitler, por ter pedido aos lídereslatino-americanos que se afastassem dele. A primeira-ministra, que participa de uma cúpula entrelíderes da União Européia e da América Latina nesta semana emLima, disse que vai ser amistosa com todos os participantes,entre os quais supostamente estará Chávez. "Certamente vou cumprimentar todos de forma cortês", disseela em entrevista coletiva ao lado do presidente Luiz InácioLula da Silva. "O presidente Lula pode relaxar: eu posso cuidar de mimmesma", disse ela, quando questionada sobre se Lula poderiaajudar a aparar as arestas. A chancelaria venezuelana acusou na terça-feira a Alemanhade interferência e disse que a Venezuela não é um fator deperturbação na América Latina, na Europa ou no mundo. "Se eu conheço bem o Chávez e a Merkel, eles vão sentar,tomar um café e a paz vai reinar", disse Lula. Chávez, crítico contumaz do capitalismo e da globalização,já insultou vários chefes de governo, de países como Colômbia,México e, com maior frequência, Estados Unidos. Merkel passa dois dias no Brasil antes de participar dacúpula de Lima. (Reportagem de Raymond Colitt)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.