No Iraque, Sarkozy pede que Europa retome laços com Bagdá

Presidente francês faz visita surpresa ao país durante giro pela região e pede que europeus sigam seu exemplo

Agências internacionais,

10 de fevereiro de 2009 | 08h58

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, fez uma visita surpresa à capital do Iraque nesta terça-feira, 10, onde pediu para que os líderes europeus sigam seu exemplo e retomem os laços com o país desgastado com a guerra liderada pelos EUA. A visita de Sarkozy faz parte de um tour do presidente francês pela região, que ainda incluirá Bahrein, Kuwait e Omã.   Sarkozy, que faz sua primeira visita como chefe de Estado ao Iraque desde a invasão dos EUA em 2003 - a qual seu antecessor foi contra -, foi recebido pelo presidente Jalal Talabani. A viagem do presidente francês reflete o interesse da França em reforçar as relações com o Iraque, país que o apoiou militarmente durante o conflito com o Irã (1980-88) e tem como objetivo reforçar as relações bilaterais com alguns Estados árabes do Golfo Pérsico.   O líder francês elogiou o Iraque pelo sucesso das eleições provinciais realizadas no mês passado sem incidentes violentos, e prometeu apoio econômico e político ao país. "A França acredita na unidade do Iraque e o mundo precisa de um Iraque forte", afirmou durante entrevista coletiva após o encontro com Talabani. Sarkozy, apelidado de "Sarko l'Americain" por sua admiração e apoio aos EUA, tenta estabilizar os laços com o Iraque e a relação da França com Washington, profundamente acirrada por seu predecessor. Em 2003, durante a Presidência de Jacques Chirac (1995-2007), a França foi um dos principais opositores à invasão americana ao Iraque e se negou a enviar tropas.   Sarkozy pediu ainda para que os líderes europeus ajudem o Iraque. "Queremos encorajar todos os países europeus a visitarem o país", afirmou. "É do interesse da Europa estender a mão e apoiar a paz". A França, um dos países que mais comercializa armas e antes um fornecedor crucial do ex-ditador Saddam Hussein, também possui interesses no Iraque. Oficiais franceses e iraquianos afirmaram que estão negociando a venda de equipamentos militares, incluindo helicópteros e artilharia.   A visita do francês acontece no momento em que o presidente Barack Obama procura ampliar o apoio para o esforço militar no Afeganistão enquanto os EUA começam a retirada de suas tropas do Iraque. Na segunda, o general David Petraeus, comandante dos militares americanos no Afeganistão e no Iraque, se reuniu com oficiais franceses para pressionar por maior cooperação na missão afegã. Porém, Paris se mostra relutante em enviar mais soldados para o país e apoia soluções políticas para garantir a estabilidade.   A viagem de Sarkozy deve ter uma boa repercussão junto à opinião pública francesa, agora que o impopular George W. Bush deixou o poder nos EUA. Antes, qualquer coisa que denotasse apoio às políticas americanas no Iraque causaria péssima impressão na França.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUAFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.