Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

No Youtube, Elizabeth 2ª pede ajuda aos mais vulneráveis

Rainha transmite mensagem de Natal pela primeira vez na internet e faz apelo pelos mais carentes

Agências internacionais,

25 de dezembro de 2007 | 17h37

Durante a sua mensagem de Natal transmitida pela primeira vez no YouTube, a rainha Elizabeth 2ª pediu que a sociedade ajude aos mais carentes e marginalizados. Marcando o 50.º aniversário de sua primeira transmissão televisionada, a rainha ainda destacou o sacrifício e a dedicação das tropas britânicas no Iraque e no Afeganistão.    Assista à mensagem de Natal da rainha    Veja também: O canal oficial da coroa britânica no YouTube   "Para essas famílias, o Natal trará tristes memórias, e eu rezo para que todos que sentem a falta dos que são queridos, encontrem forças e conforto em seus familiares e amigos", disse Elizabeth 2ª.   A monarca afirmou que o espírito de Natal "chama a atenção de todas as pessoas que estão às margens da sociedade, pessoas que se sentem isoladas e desfavorecidas", e que "por uma razão ou outra, não são capazes de desfrutar dos benefícios de viver em uma sociedade civilizada e regida por leis".   "Todas os ensinamentos das grandes religiões do mundo afirmam a mensagem de que todos temos a responsabilidade pelo cuidado dos mais vulneráveis", daqueles para quem o mundo moderno "pode ser um lugar distante e hostil".   No sábado, foi lançado no YouTube um novo canal, o Royal Channel, no qual os internautas poderão ver a primeira transmissão natalina da rainha, em 1957, e outras imagens de arquivo da família real britânica e seus eventos.   Segundo a BBC, a primeira transmissão natalina de Elizabeth 2ª na TV foi em 1957, quando ela expressou desejo de que o novo meio de comunicação tornaria sua mensagem mais pessoal e direta. Agora ela dá um novo passo, usando YouTube, onde já há canais exclusivos do gabinete britânico e do presidente da França, Nicolas Sarkozy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.