Novo presidente da Sérvia promete manter controle sobre Kosovo

Boris Tadic tomou posse comopresidente da Sérvia na sexta-feira, dois dias antes de Kosovodeclarar sua independência, impondo ao país seu momento maistraumático desde que se viu bombardeado em 1999 a fim desuspender uma campanha de limpeza étnica naquela Província. Na cerimônia de posse, Tadic, 50, jurou solenemente"dedicar todos os meus esforços para preservar a soberania e aintegridade territorial da República da Sérvia". Mas, no domingo, a Sérvia já se depara com seudesmembramento. Nesse dia, deve ser declarada a independênciade Kosovo, uma Província montanhosa gravada na mitologia deformação da Sérvia mas hoje habitada por dois milhões dealbaneses, que correspondem a 90 por cento de sua população. O primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, um políticonacionalista que ofuscou Tadic, pró-Ocidente, no papel dedefensor da unidade do país, afirmou que a separação de Kosovo"está prestes a se transformar em uma realidade" que não podeevitar, mas que nunca aceitará. O Ocidente pretende reconhecer Kosovo porque, segundoafirma, a Sérvia perdeu o direito moral de dirigir a populaçãodaquela área devido à violência usada contra os albaneses em1998 e 1999, sob o governo do já morto Slobodan Milosevic, eporque não há nenhuma chance de que as duas partes entrem emacordo. A Sérvia ofereceu conceder autonomia aos albaneses deKosovo, que ficariam dentro das fronteiras sérvias e nãoformariam um país em separado. A proposta é considerada peloOcidente insustentável no longo prazo. Kosovo já se encontra há nove anos sob administração daOrganização das Nações Unidas (ONU) e sob a proteção daOrganização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a aliançamilitar que realizou os bombardeios de 1999. A Rússia, aliada dos sérvios, afirmam que o Ocidente abreum precedente perigoso ao deixar que Kosovo declareindependência sem uma aprovação formal da ONU. Segundo osrussos, movimentos separatistas do mundo todo vão convencer-sede que eles também podem ter sucesso em sua luta porindependência. As potências ocidentais argumentam que Kosovo é um casoúnico, gerado pela selvageria e pelo autoritarismo impostos auma minoria étnica.

DOUGLAS HAMILTON, REUTERS

15 de fevereiro de 2008 | 11h50

Tudo o que sabemos sobre:
SERVIAKOSOVOPROMESSAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.