Novo relatório do caso Jean Charles pressionará chefe de polícia

A permanência do chefe da polícialondrina em seu cargo ficará ainda mais complicada depois dadivulgação, nesta quinta-feira, de um relatório sobre a mortedo brasileiro Jean Charles de Menezes, confundido com umterrorista por agentes dentro do metrô da capital britânica. A Comissão Independente de Queixas contra a Polícia (IPCC,espécie de corregedoria) vai publicar suas conclusões sobre oque aconteceu em 22 de julho de 2005 dentro da estaçãoStockwell (zona sul), onde o eletricista, de 27 anos, foibaleado. Os policiais pensaram que ele fosse um dos quatro homensque na véspera haviam tentado cometer atentados no sistemalondrino de transportes. Duas semanas antes, ataques suicidasno metrô e em um ônibus haviam matado 52 pessoas. Na semana passada, a polícia londrina foi condenada comoinstituição a uma multa de 175 mil libras, depois quepromotores decidiram que não deveria haver processos contrapoliciais específicos. A longa investigação adiou até agora o relatório completodo IPCC, que surge em um momento de muita pressão para que ocomissário Ian Blair deixe seu cargo. A oposição quer a renúncia dele, e na quarta-feira aAssembléia de Londres aprovou uma moção -- de caráter apenassimbólico -- também o incentivando a se demitir. Mas Blair parece decidido a ficar no cargo e tem o apoio doMinistério do Interior, da prefeitura de Londres e do chefe daAutoridade Policial Metropolitana, órgão que supervisiona aforça londrina e tem o poder de demiti-lo. A polícia e a Autoridade Policial dizem que não há norelatório de quinta-feira muita coisa que já não tenha setornado pública quando a polícia foi a julgamento por violarregras sanitárias e de segurança -- desta vez, a investigaçãoserve para abrir ou não um processo penal. "Nosso trabalho foi descobrir o que aconteceu naquele dia eentão fazer as recomendações para tornar menos provável queaconteça de novo", disse Nick Hardwick, presidente da IPCC, àrádio BBC. Blair afirmou torcer para que o relatório da IPCC encerre oassunto, mas qualquer conclusão ruim para ele aumentará apressão por sua renúncia, como exige a família do brasileiro. O relatório de quinta-feira é o segundo inquérito do IPCCcontra o incidente de Stockwell. Um relatório anterior, deagosto, examinou se a polícia enganou a população ao divulgarfalsas informações no dia da morte de Menezes. Blair foi inocentado da acusação de mentir, mas o relatóriodisse que ele foi mantido desinformado sobre o erro fataldurante algum tempo e que Andy Hayman, principal agentebritânico antiterrorismo, enganou seus colegas e o público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.