Número de mortos em asilo da Rússia incendiado sobe para 28

Ao menos 28 pessoas morreram em um asiloda Rússia e, na segunda-feira, autoridades do paísresponsabilizaram a administração do local por não terconseguido retirar dali, a tempo de salvá-los, vários dosmoradores . "Os bombeiros receberam um alerta muito tardio a respeitodo incêndio porque os funcionários do asilo esperaram, poralgum motivo, 30 minutos antes de telefonar", disse ViktorBeltsov, porta-voz do Ministério de Emergências da Rússia,acrescentando que mais de 200 pessoas moravam no local. O fogo começou no domingo, na hora do almoço, dentro doasilo, situado na cidade de Tula, 200 quilômetros ao sul deMoscou. Essa tragédia é a mais recente de uma série de desastresenvolvendo incêndios na Rússia, onde prédios administrados pelogoverno costumam ser criticados devido à falta de manutenção eà ausência de procedimentos e equipamentos adequados desegurança. Segundo Beltsov, o prédio incendiado em Tula, construído em1952, não contava nem com um sistema de alarme e nem comequipamentos de combate ao fogo. As chamas já haviam seespalhado por 1.000 metros quadrados quando os bombeiroschegaram. "Eles não tinham equipamento nenhum. Ainda assim, quando ofogo começou, os funcionários tiveram tempo suficiente pararetirar os idosos. Os investigadores precisarão descobrir agorapor que isso não aconteceu", afirmou. Viktor Zubkov, primeiro-ministro da Rússia, ordenou aabertura imediata de um inquérito para apurar o caso. (Por Dmitry Zhdannikov)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.