Obama faz discurso e visita as raízes familiares na Irlanda

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou solidariedade entre os Estados Unidos e a Irlanda, que está em meio a uma crise econômica, com um gole simbólico de cerveja e um discurso inflamado em que falou para um grande público em Dublin nesta segunda-feira.

JEFF MASON E PADRAIC HAL, REUTERS

23 de maio de 2011 | 19h53

"Os seus melhores dias ainda virão", disse Obama.

Ao iniciar uma visita a quatro nações europeias com a celebração de suas raízes irlandesas, o presidente dos EUA atraiu multidões, que lotaram as ruas para acompanhar o discurso em Dublin e a visita ao pequeno vilarejo de Moneygall, onde os ancestrais de Obama viveram antes de se mudarem para os EUA.

Apresentado pelo primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, como "O sonho americano de volta para casa", Obama disse ao público em Dublin: "Meu nome é Barack Obama, dos Obamas de Moneygall".

Para a Irlanda, a chegada de Obama e a visita da rainha Elizabeth, da Inglaterra, na semana passada são distrações bem-vindas que desviam a atenção global voltada aos problemas financeiros do país.

Obama também vai visitar a Inglaterra, a França e a Polônia na viagem de uma semana. Na sua agenda, estão debates sobre problemas no Afeganistão e Paquistão depois da morte de Osama Bin Laden, economia mundial e os levantes da "primavera árabe".

O desempenho ruim da economia irlandesa levou a uma crise nas dívidas públicas e a drásticos cortes nos gastos governamentais. Além de levantar o moral dos irlandeses, a visita pareceu ideal para fornecer fortes imagens para a campanha de reeleição de Obama em 2012.

Ele repetiu a sua frase mais conhecida da campanha de 2008, "Yes we can" (Sim, nós podemos), mas disse em gaélico. "Este pequeno país que inspira as maiores coisas -- os seus melhores dias ainda virão", disse Obama.

"E, Irlanda, se alguém disser o contrário ... lembre-se que, independentemente das dificuldades que o inverno traz, a primavera vai estar sempre próxima. Se eles continuarem insistindo, apenas responda com uma crença simples, 'Is feidir linn', Yes we can."

No pub O'Neill em Dublin, clientes ficaram empolgados e gritaram "USA! USA!" enquanto o presidente descia do palco depois do discurso.

"Eu acho que isso vai aumentar o moral do país, o tipo de coisa que precisamos desesperadamente", disse Jennifer Kearney, uma mãe que levou as duas filhas, de 13 e 15 anos, ao centro de Dublin para acompanhar o evento.

Obama visitou ainda Moneygall, um vilarejo tranquilo de 300 habitantes onde nasceu seu tataravô Falmouth Kearney, um sapateiro, que deixou o país em 1850 para iniciar uma vida nova nos EUA.

Na semana passada os moradores do povoado fizeram fila por até seis horas para conseguirem um ingresso para ver o presidente, que foi rebatizado carinhosamente de "O'Bama" em sua viagem à Irlanda.

Tudo o que sabemos sobre:
IRLANDAOBAMARAIZES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.