Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

Obama vê novo começo com a Rússia

Presidente diz que dois países trabalharão por não-proliferação de armas nucleares

estadao.com.br

26 de março de 2010 | 12h06

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta sexta-feira, 26, queo novo acordo de redução do arsenal nuclear fechado hoje com a Rússia representa um recomeço nas relações entre os dois países e que é o "mais compreensivo pacto de controle de armas firmado em quase duas décadas".

 

Veja também:

linkEUA e Rússia fecham novo acordo de redução de arsenais nucleares

linkRússia e EUA lutarão contra Coreia do Sul e Irã nucleares, diz Hillary

 

"Desde que assumi a presidência, lutei por isso. Este tratado representa um recomeço das relações com a Rússia", disse Obama. O prazo do antigo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), expirou em dezembro. Desde então, os dois países se reuniram repetidamente para renovar os termos.

 

O presidente americano agradeceu ao mandatário russo, Dmitri Medvedev, por sua "consistente liderança para chegar ao acordo". "Tivemos muitas oportunidades no ano passado para firmar esse pacto, e acreditamos que podemos servir aos interesses de nossos povos por meio da cooperação", disse Obama referindo-se ao colega russo.

 

Ele também agradeceu sua "incansável" equipe de negociações e as principais autoridades diplomáticas e de segurança dos EUA - os secretários de Estado e Defesa, Hillary Clinton e Robert Gates, e o chefe de Estado-Maior, o almirante Mike Mullen.

 

O novo Start, segundo Obama, reflete os interesses dos dois países para "paralisar a proliferação dessas armas, mantê-las longe da posse dos terroristas e reduzir esses arsenais". O tratado, segundo ele, foi um importante passo para esses objetivos, que não devem ser atingidos num futuro próximo.

 

O presidente americano também afirmou que o acordo representa o compromisso de EUA e Rússia contra a proliferação de armas nucleares. O novo tratado deve reduzir em um terço o arsenal nuclear dos dois países, que detêm cerca de 90% das armas atômicas do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAObamaStart

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.