Ofensiva contra norte do Iraque está planejada, diz premiê turco

O primeiro-ministro da Turquia,Tayyip Erdogan, disse que está planejada uma operação militarcontra guerrilhas curdas do norte do Iraque, mas diplomatasindicaram na terça-feira que uma investida do tipo, casoocorresse, seria limitada. Erdogan reuniu-se com o presidente dos Estados Unidos,George W. Bush, na segunda-feira para tentar convencer osnorte-americanos a atacarem os cerca de 3.000 rebeldes doPartido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) estacionados nonorte do Iraque. Esses rebeldes realizam ações contra a Turquiadesde o território iraquiano. Depois do encontro, Bush disse estar comprometido com osesforços de combate ao PKK, que descreveu com um "inimigocomum". O presidente norte-americano ofereceu compartilharinformações com a Turquia, que faz parte da Organização doTratado do Atlântico Norte (Otan). Apesar de as negociações terem produzido resultadospositivos, esses não seriam suficientes para convencer osturcos a abrirem mão de uma ofensiva militar, ainda que umaofensiva limitada a ataques aéreos e operações especiais,disseram diplomatas do país. "Os EUA concordaram com fornecer à Turquia 'informaçõespráticas'. Isso significa permitir-nos realizar uma açãomilitar contra o PKK uma vez que tenhamos informaçõesatualizadas", afirmou à Reuters um diplomata turco,acrescentando que tal ação militar ocorreria também dentro doIraque. Em resposta ao que considera ser a demora do Iraque em agire uma falta de pressão por parte dos EUA, a Turquia estacionou100 mil soldados na fronteira com o território iraquiano eameaça investir contra o PKK se nada for feito para controlar ogrupo. O governo norte-americano não deseja ver milhares desoldados turcos atravessando a fronteira, temendo que issodesestabilize o norte do Iraque e alimente ainda mais a criseno país. Os EUA, porém, não se opuseram à realização de ataquesaéreos limitados. A Turquia é um aliado fundamental dos EUA, que usam a baseaérea de Incirlik, no território turco, para dar apoiologístico às forças norte-americanas estacionadas no Iraque. Erdogan afirmou ao National Press Club, em Washington, nanoite de segunda-feira, que estava planejada uma ação contra oPKK, considerado uma organização terrorista pelos EUA, pelaUnião Européia (UE) e pela Turquia. "Não estamos à beira da guerra. Tomamos uma decisão arespeito de uma determinada operação. Quero ressaltar mais umavez que isso a ser feito será uma operação", disse. O Parlamento turco aceitou, no mês passado, um pedido dogoverno para permitir o lançamento de grandes operaçõesalém-fronteira no norte do Iraque, contra o PKK. Essasoperações seriam uma resposta à escalada dos ataques realizadospelos rebeldes contra soldados e civis da Turquia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.