Stephanie Pilick/Efe
Stephanie Pilick/Efe

Omissão com neonazistas derruba chefe da espionagem alemã

Heinz Fromm assumiu que sua agência destrui arquivos relativo a uma célula neonazista

Reuters

02 de julho de 2012 | 13h11

BERLIM - O chefe do serviço de inteligência interna da Alemanha se demitiu nesta segunda-feira, 02, depois de admitir que a sua agência destruiu arquivos relativos a uma célula neonazista que matou vários imigrantes entre 2000 e 2007.

Veja também:

link Resultados eleitorais mostram avanço extremista na Europa

blog Contra a austeridade, vale até neonazismo

Heinz Fromm deve ficar até o final do mês no cargo, que ele ocupava desde 2000. Parlamentares disseram que não havia indícios de que ele ordenou a destruição, nem que estava assumindo a responsabilidade por falhas alheias ocorridas no Departamento Federal de Proteção da Constituição.

A imprensa alemã diz que um funcionário da agência é suspeito de ter destruído os arquivos que descreviam uma operação para o recrutamento de informantes de ultradireita, no final de 2011, um dia depois de vir a público o envolvimento do chamado "Subterrâneo Nacional-Socialista" no assassinato de dez pessoas, a maioria delas de origem turca.

O grupo passou mais de uma década agindo sem ser detectado pelo serviço de informações. Vários parlamentares pediram uma investigação sobre o caso, e Fromm, mesmo demissionário, deve depor numa CPI sobre o caso nesta semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.