ONU não chega a consenso sobre independência do Kosovo

Nenhum país membro, no entanto, apoiou o pedido da Rússia para declarar 'nula' a proclamação

Agência Internacionais,

17 de fevereiro de 2008 | 19h47

O Conselho de Segurança da ONU, profundamente dividido sobre os próximos passos a dar após a declaração unilateral de independência do Kosovo, encerrou sua reunião deste domingo, 17, sem uma posição de consenso, à espera do que os ministros de Assuntos Exteriores da União Européia decidirão. A reunião da UE está marcada para esta segunda-feira.   Nenhum país membro do Conselho de Segurança da ONU apoiou o pedido da Rússia para declarar como "nula e improcedente" a proclamação de independência do Kosovo, ex-província sérvia, segundo a agência de notícias France Presse.   Veja também:   Kosovo declara independência da Sérvia 'Sérvia nunca reconhecerá o Kosovo', diz presidente Rússia quer que ONU anule independência de Kosovo Kosovo tem explosões e tensão após independência Kosovo: independência aumenta abismo entre Rússia e Ocidente Entenda o que está em jogo em Kosovo Mapa: a disputa dos Bálcãs    Após a reunião de emergência do conselho para tratar do assunto, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, fez um apelo para que Sérvia e Albânia parem com a violência nos Bálcãs e não cometam nenhum ato que possa colocar em risco a paz na região após a independência no Kosovo, declarada neste domingo.   "Eu chamarei todos os lados para firmarem um compromisso de não tomarem qualquer atitude que possa colocar em risco a paz, incitar a violência e comprometer a segurança no Kosovo ou na região", disse Ban Ki-moon. Ele afirmou ainda que a administração da ONU no Kosovo continuará "tendo em vista as circunstâncias". As Nações Unidas estão na região desde o fim dos bombardeios da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra tropas fiéis ao ex-presidente sérvio Slobodan Milosevic, em 1999.   Antes da reunião, os 15 membros do conselho, principal órgão de decisões das Nações Unidas, pareciam muito divididos a respeito do futuro do Kosovo. Enquanto a Rússia se opõe, Estados Unidos, Reino Unido e França apóiam a decisão das autoridades de Pristina (província do Kosovo).   Na região, o ex-líder guerrilheiro e agora primeiro-ministro albano-kosovar, Hashem Thaçi, anunciou no Parlamento do Kosovo a independência da Sérvia, neste domingo, 17, declaração que imediatamente foi rejeitada por Belgrado. Em resposta, o primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, afirmou que o país lutará "sem o uso da força" para recuperar a província separatista.   O Kosovo busca agora o reconhecimento da comunidade internacional, o que pode ocorrer na segunda-feira, após a reunião, em Bruxelas, do Conselho de Ministros de Assuntos Exteriores da União Européia (UE). Washington está disposto a ressuscitar o plano de paz para o Kosovo do finlandês Martti Ahtisaari, antigo enviado da ONU para a província, que em 2007 recomendou uma soberania supervisada e tutelada internacionalmente.   (Com Reuters e AFP)   Texto atualizado às 21h15

Tudo o que sabemos sobre:
Kosovo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.