EFE/Quique Garcé
EFE/Quique Garcé

ONU pede investigação independente sobre violência policial em Barcelona

Plebiscito pela independência da Catalunha teve embates entre civis e polícia; mais de 880 pessoas ficaram feridas

Jamil Chade, Correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2017 | 08h41

GENEBRA - A autoridade máxima da ONU para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, pediu nesta segunda-feira, 2, investigações independentes para determinar se houve abuso por parte da polícia espanhola, no esforço de impedir que o plebiscito pela independência da Catalunha fosse realizado.

Após confrontos, prefeita de Barcelona pede renúncia de premiê espanhol

No domingo, catalães foram às urnas num plebiscito considerado ilegal pela Justiça espanhola. Com cerca de 38% de eleitores, o governo catalão diz que o apoio pela independência atingiu 90% dos votos e pode declarar sua independência de forma unilateral nos próximos dias. O dia de votação, no entanto, foi marcado pela violência da polícia espanhola, que resultou em mais de 880 feridos.

"É perturbadora a violência na Catalunha no domingo", disse Hussein. "Com centenas de pessoas feridas, peço às autoridades espanholas que garantam uma investigação completa, independente e imparcial de todos os atos de violência", alertou. A resposta policial, segundo ele, "precisa ser a todos os momentos proporcional e necessária." 

Hussein, sem tomar partido contra ou a favor da independência, insistiu que acredita que "a situação atual deve ser resolvida por meio de um diálogo político, com pleno respeito às liberdades democráticas".  O alto comissário da ONU também pede que o governo espanhol "aceite sem demora" os pedidos de diversos relatores de direitos humanos das Nações Unidas para que visitem o país. 

Na semana passada, dois desses relatores já tinham alertado sobre o risco de confrontos e da tensão em Barcelona. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.