Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

ONU questiona Rússia por assassinato de jornalistas e ativistas

A Rússia foi questionada nesta quinta-feira pela Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) por causa do assassinato de jornalistas e ativistas, da independência do seu Judiciário e de desaparecimentos durante as campanhas de contraterrorismo na Chechênia.

STE, REUTERS

15 de outubro de 2009 | 17h10

O vice-ministro da Justiça, Georgy Matyushkin, comandou uma delegação de 24 integrantes que foi à comissão defender o histórico russo nesse campo. O debate prossegue na sexta-feira.

Na quarta-feira, em visita a Moscou, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, pediu à Rússia que impeça ataques a ativistas que contestam o governo.

Durante o debate desta quinta-feira, Ruth Wedgwood, especialista norte-americana no painel da ONU, disse que "o perigo físico às pessoas que se manifestam sobre direitos humanos na Rússia ainda é chocante." "Pessoas que são jornalistas ou ativistas dos direitos humanos parecem ter uma altíssima taxa de mortalidade."

Wedgwood citou os assassinatos não resolvidos das jornalistas Anna Politkovskaya e Anastasia Baburova, ambas do jornal Novaya Gazeta, do editor da Forbes Rússia, Paul Klebnikov, e da ativista de direitos humanos Natalia Estemirova.

Politkovskaya, 48 anos, mãe de dois filhos, foi morta quando entrava em casa, em Moscou, em 7 de outubro de 2006. Na semana passada, sua família manifestou dúvidas sobre a culpa de dois homens acusados de envolvimento no crime, e sobre a disposição do Kremlin de punir os principais suspeitos.

"Acho que o passado ainda paira fortemente sobre a sociedade. As coisas do passado podem ditar o tom da falta de lei, que é muito dura de conter", acrescentou Wedgwood, professora de direito internacional na Universidade Johns Hopkins, em Washington.

Os membros da comissão também manifestaram preocupação sobre a eficácia das investigações criminais na Rússia, sobre a discriminação contra homossexuais no local de trabalho, invasões policiais em boates gays e o discurso de ódio por alguns funcionários públicos.

A comissão da ONU, composta por 18 especialistas independentes, está examinando a adesão de cinco países, inclusive a Rússia, a um tratado internacional sobre direitos civis e políticos. Suas conclusões serão divulgadas no fim de sua sessão de três semanas, em 30 de outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIADIREITOSJORNALISTAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.