Operações da Turquia no Iraque mataram até 100 rebeldes curdos

As operações militares turcas no norte do Iraque resultaram na morte de 90 a 100 guerrilheiros curdos desde os primeiros bombardeios aéreos e terrestres da semana passada, disseram as Forças Armadas na terça-feira.

REUTERS

23 de agosto de 2011 | 08h21

Esses foram os primeiros bombardeios contra os rebeldes nas montanhas do norte do Iraque em mais de um ano, e marcam uma escalada no conflito de 27 anos, após o colapso de uma tentativa de negociações.

Em seis dias, os aviões turcos atingiram 132 alvos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que usa o norte do Iraque como base para lançar ataques na Turquia.

Os militares iniciaram a operação em 17 de agosto, em resposta a uma onda de ataques do PKK no sudeste turco. Políticos curdos do norte do Iraque condenaram as ações militares, dizendo que elas contraiam as normas internacionais.

O Exército disse em nota que não possui cifras sobre as baixas do PKK, mas que há informações de que mais de 80 militantes ficaram feridos, e que foram atingidos 73 abrigos, oito armazéns e nove posições antiaéreas.

"Segundo a informação inicial, 90 a 100 terroristas foram deixados ineficazes", disse o Estado-Maior, usando um eufemismo para a morte dos militantes. "As operações aéreas e terrestres irão continuar", acrescentaram os militares.

Não foi possível confirmar os números de baixas.

O PKK é qualificado como grupo terrorista pela Turquia, a União Europeia e os Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIACURDOSIRAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.