Reuters
Reuters

Opinião pública se opõe a cargo para filho de Sarkozy

Pesquisa aponta que 64% dos franceses desaprovam nomeação; presidente enfrenta acusações de nepotismo

Reuters

16 de outubro de 2009 | 10h18

A maioria dos franceses, inclusive simpatizantes do governo de centro-direita, é contra a possível nomeação do filho do presidente Nicolas Sarkozy para dirigir uma grande agência nacional de desenvolvimento, segundo uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 16, pelo jornal Le Parisien.

A nomeação de Jean Sarkozy, de 23 anos, para a presidência da agência responsável pelo distrito financeiro de La Defense, em Paris, provocou grande polêmica na imprensa. A oposição e muitos analistas acusam o presidente de nepotismo.

A pesquisa do instituto CSA ao Le Parisien indica que 64% dos entrevistados consideram negativa a possível nomeação. Mesmo entre os seguidores da direita, 51% são contra.

Críticos dizem que Sarkozy filho, que é vereador nos arredores de Paris e cursa o segundo ano de direito, não tem qualificação para dirigir um órgão que supervisiona uma reforma de 1 bilhão de euros (quase US$ 1,5 bilhão) em La Defense. Para eles, a promoção se deve apenas ao sobrenome ilustre.

O assunto também provoca inquietação entre muitos políticos do partido governista UDP, preocupados com a repercussão negativa num momento em que o desemprego entre os menores de 25 anos é de quase 24%.

O filho de Sarkozy deve ser nomeado neste mês para o conselho de direção da Epad, responsável por La Defense, um bairro de arranha-céus com escritórios e bancos que pretende rivalizar com a City of London como grande centro financeiro da Europa. Em seguida, ele disputará uma eleição para a presidência da agência, já que o atual mandato termina no final do ano. É quase certo que seja o escolhido pelos conselheiros e representantes do Estado.

Nicolas Sarkozy rejeitou as acusações de nepotismo numa entrevista publicada na sexta-feira pelo jornal Le Figaro, e disse que seus críticos querem atingi-lo por meio de seu filho.

A pesquisa no Le Parisien também mostrou que a maioria é contra um projeto de Sarkozy para taxar as emissões de carbono, o que deve aumentar o preço da gasolina em 5 centavos de dólar por litro. Há 59% de rejeição à proposta, sendo 51% entre seguidores da direita.

Tudo o que sabemos sobre:
FramçaSarkozyEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.