Oposição da Geórgia responsabiliza governo por 'falsa invasão'

Programa de TV alidao ao presidente causa pânico no país ao levar ao ar imagens de tanques russos no país

14 de março de 2010 | 11h59

A oposição da Geórgia acusou o governo neste domingo, 14, de estar por trás do programa transmitido por uma emissora de televisão local que provocou pânico no país, ao levar ao ar imagens de uma invasão do exército russo no país. A matéria com vinte minutos de duração exibida no canal governista Iemdi TV apresentava imagens da guerra de 2008 enquanto um apresentador afirma que isso aconteceria caso a oposição tomasse o poder.

 

Veja também:

link 'Falsa invasão' causa pânico na Geórgia

 

A emissora de televisão, que é dirigida por um aliado do presidente Mikheil Saakashvili, não escondeu o fato da reportagem ser uma resposta a dois líderes da oposição que realizaram encontros com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, no final do ano passado e neste mês. A ideia, segundo a emissora, era mostrar uma "simulação de eventos possíveis".

 

O caso enfureceu a oposição, que acusou o governo de manipular a imprensa. Em um comunicado, a oposição afirmou que a "responsabilidade pela preparação e pelos resultados da matéria são das autoridades georgianas, que praticamente monopolizaram todos os espaços de televisão para levar terror através da informação para seu próprio povo". Por sua vez, fontes do governo negaram qualquer participação no episódio.

 

Irreal

 

Apresentada como uma simulação do "pior dia na história da Geórgia", a reportagem não manteve na tela durante toda sua exibição um aviso indicando que se tratava de material ficcional, o que levou muitos georgianos a acreditarem que o que viam na televisão estava ocorrendo realmente naquele momento.

 

As redes de telefonia celular saíram do ar devido ao excesso de chamadas e os serviços de emergência registraram um aumento súbito nas ligações. Muitos georgianos voltaram para suas casas e alguns veículos de comunicação russos interromperam sua programação normal. A emissora de televisão se desculpou pela maneira como a matéria foi apresentada.

 

Segundo as agências locais, o presidente da Geórgia criticou o pânico causado pela reportagem, mas admitiu que o cenário apresentado é possível. "Foi realmente um filme desagradável, mas mais desagradável é o fato que a reportagem era muito próxima daquilo que poderia ocorrer ou que o inimigo da Geórgia tem em mente", teria afirmado Saakashvili neste domingo.

 

Com informações da Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.