Justin Spike/AP Photo
Justin Spike/AP Photo

Órfãos com deficiência fugindo da Ucrânia são recebidos por poloneses e húngaros

Os cerca de 200 refugiados, a maioria crianças, desembarcaram de trem da capital Kiev para os países da Europa Central

Justin Spike, Associated Press, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 13h01

ZAHONY, Hungria — Alguns dos cidadãos mais vulneráveis ​​da Ucrânia alcançaram a segurança na Polônia por meio de um esforço de solidariedade e compaixão que transcendeu fronteiras e levantou um poderoso contraponto à guerra.

Nesta quarta-feira, 2, um trem parou na estação de Zahony, na Hungria, trazendo cerca de 200 pessoas com deficiências físicas e mentais – moradores de dois orfanatos para deficientes na capital da Ucrânia, Kiev, que foram retirados quando as forças russas atingiram a cidade.

“Territorialmente, os orfanatos são onde os foguetes voaram, onde houve rajadas de tiros de fuzil. Uma estação de metrô perto do orfanato foi explodida”, disse Larissa Leonidovna, diretora do orfanato Svyatoshinksy para meninos em Kiev. “Passamos mais de uma hora no subsolo durante um bombardeio.”

Os refugiados deficientes, a maioria crianças, desembarcaram do trem no vento frio da plataforma e nos braços de dezenas de poloneses e húngaros que esperavam para recebê-los. De lá, eles foram escoltados até quatro ônibus em espera, enviados da Polônia pela organização católica de ajuda humanitária Caritas.

Com a ajuda do vice-prefeito de Kiev e do escritório de proteção à criança da cidade, a Caritas organizou a retirada da capital à medida que o ataque russo se intensificava.

Durante a noite, repórteres da Associated Press em Kiev ouviram pelo menos uma explosão antes de começarem a circular vídeos de aparentes ataques à cidade. Os alvos não foram imediatamente claros.

Barbara Smyrak, a principal organizadora da delegação da Caritas que transporta as crianças, disse que elas serão colocadas em centros de reabilitação na cidade de Opole, no sudoeste da Polônia, após completarem a viagem de 560 quilômetros.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), agência de refugiados da ONU, disse na quinta-feira que até a meia-noite na Europa Central, 1 milhão de pessoas haviam fugido da Ucrânia desde o início da invasão da Rússia há uma semana, um êxodo sem precedentes neste século por sua velocidade.

A contagem do Acnur equivale a mais de 2% da população da Ucrânia, que o Banco Mundial contava em 44 milhões no final de 2020, e o número está crescendo. A agência previu que até 4 milhões de pessoas podem eventualmente deixar a Ucrânia, mas alertou que mesmo essa projeção pode ser revisada para cima.

Enquanto muitos dos que fogem são adultos saudáveis, optando por enfrentar longas e às vezes perigosas jornadas para levar a si mesmos e suas famílias em segurança, outros ucranianos estão à mercê de seus cuidadores para libertá-los do perigo.

Viktoria Mikolayivna, vice-diretora do orfanato para meninas Darnytskyy, disse que 216 pessoas chegaram a Zahony, Hungria, dos orfanatos de Kiev - "as crianças junto com seus acompanhantes".

Depois de deixar Kiev e viajar de ônibus em direção à fronteira polonesa, eles encontraram filas de quilômetros de carros que transportavam outros refugiados da Ucrânia fugindo em direção à segurança na União Europeia.

Com a perspectiva de esperar por horas incontáveis, o grupo redirecionou sua rota para a Hungria na esperança de encontrar segurança mais rapidamente.

Leonidovna, diretor do orfanato Svyatoshinksy para meninos, disse que a jornada de um dia de Kiev foi árdua – e ainda havia outra longa viagem de ônibus pela frente.

“É muito difícil, você pode ver que é muito difícil, todos eles precisam de cuidados e apoio especiais”, disse ela sobre as crianças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.