Otan aprova plano de adesão da Bósnia, mas impõe condições

País já havia entrado com pedido em outubro; Bósnia pode levar anos para se integrar à Otan

22 de abril de 2010 | 18h31

Reuters

 

TALLINN- Ministros da Otan concordaram nesta quinta-feira, 22, em permitir um plano de adesão (MAP, na sigla em inglês) para a Bósnia se unir à aliança militar nos próximos anos, mas impuseram condições para sua implementação.

 

"O MAP foi permitido para a Bósnia-Herzegovina hoje, mas com claras condições atreladas à sua implementação", afirmou o porta-voz da Otan, James Appathurai, em uma coletiva de imprensa após conversações de ministros de Relações Exteriores da Otan em Tallinn, capital da Estônia.

 

Appathurai afirmou que a Otan aceitaria a primeira reforma anual da Bósnia sob o programa, apenas quando propriedades de defesa, como bases, fossem registradas como pertencentes ao Estado e para uso do Ministério de Defesa.

 

Um MAP é um processo de vários estágios de diálogo sobre reformas políticas e militares para alinhar uma nação a padrões da Otan e uma eventual entrada na organização. O processo pode levar anos.

 

A Bósnia entrou com um pedido de entrada na entidade de 28 nações em outubro, mas a aliança negou a requisição em dezembro, sob a justificativa de que o país ainda precisava de mais reformas.

Tudo o que sabemos sobre:
OtanBósniaadesãoreformadefesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.