Otan e polícia contêm protestos violentos no Kosovo

Albaneses protestavam contra as eleições sérvias locais, apoiadas por Belgrado, na parte norte do país, onde o governo central de Kosovo não tem autoridade

REUTERS

30 Maio 2010 | 12h06

 

MITROVICA, Kosovo - Soldados da Otan e policiais separaram milhares de albaneses e sérvios na dividida cidade de Mitrovica, no Kosovo, neste domingo, durante o pior conflito étnico desde a independência do país dois anos atrás.

 

A polícia do Kosovo disparou gás lacrimogêneo para dispersar a multidão violenta, enquanto oficiais da Otan e da União Europeia com uniformes de choque foram deslocados para a ponte acima do rio que divide Mitrovica em duas metades etnicamente distintas.

 

Os albaneses protestavam contra as eleições sérvias locais, apoiadas por Belgrado, na parte norte do país, onde o governo central de Kosovo não tem autoridade.

 

O Kosovo, ex-região sérvia com uma população majoritariamente albanesa de 2 milhões de pessoas, declarou independência em 2008, mas não é reconhecida por Belgrado. Uma testemunha da Reuters disse que tiros foram disparados perto da ponte sobre o rio Ibar, que separa o sul albanês do norte sérvio.

 

"Usamos uma pequena quantidade de gás lacrimogêneo e interviemos para deter grupos de sérvios e albaneses e impedir uma escalada na violência", disse Besim Hoti, porta-voz da polícia de Kosovo. Duas pessoas no lado sérvio foram feridas por pedras que os dois grupos atiraram um contra o outro, relataram autoridades da área de saúde do lado sérvio de Mitrovica.

 

A missão da Otan, conhecida como KFOR, que tem cerca de 10 mil soldados no local, disse que não irá tolerar a violência. "Vamos cumprir nosso mandado e em caso de distúrbios que possam ameaçar a segurança, o ambiente de tranquilidade e a liberdade de movimento, e iremos tomar todas as medidas necessárias para reinstaurar a calma", disse Anthony Pfau, um porta-voz da Otan.

Mais conteúdo sobre:
Kosovo protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.