Otan e Rússia concordam com cooperação em defesa antimíssil

A Otan e a Rússia concordaram no sábado em cooperar na defesa antimíssil e em outros assuntos de segurança, marcando um recomeço nas relações após a intervenção da Rússia na Geórgia, em 2008.

DAVID BRUNNSTROM, REUTERS

20 de novembro de 2010 | 18h03

Em uma reunião de cúpula em Lisboa, a Rússia também concordou em aumentar o seu apoio à missão da Otan no Afeganistão, permitindo que mais suprimentos da Otan atravessem o seu território e fornecendo helicópteros às forças armadas afegãs.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, disse que a reunião representou um "recomeço" em direção a uma maior confiança e cooperação entre os dois lados, que congelaram suas relações, depois que as forças russas invadiram a Geórgia, país aliado da Otan.

O presidente russo Dmitri Medvedev disse que um "período de relações difíceis e tensas foi superado."

"Temos grandes planos. Vamos trabalhar em todas as áreas, incluindo a defesa antimísseis europeia," ele disse aos repórteres.

Líderes da Otan concordaram na sexta-feira em desenvolver um sistema antimíssil para proteger o território de todos os países membros da Otan na Europa e EUA e em convidar a Rússia a aderir ao projeto. Ele será capaz de interceptar mísseis de longa distância lançados do Oriente Médio.

Rasmussen disse que os dois lados concordaram em retomar um projeto que visa proteger as suas forças armadas de um ataque de mísseis, suspenso após a intervenção na Geórgia, e a conduzir um estudo conjunto para expandir o projeto para proteger populações e territórios.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAOTANANTIMISSIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.