Otan espera que documentos vazados não afetem progresso no Afeganistão

Documentos revelam cooperação do Paquistão com insurgentes e aumento das forças taleban

Associated Press

26 de julho de 2010 | 10h54

BRUXELAS - Membros europeus da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disseram nesta segunda-feira, 26, esperar que o vazamento de cerca de 91 mil documentos dos EUA que denunciam uma série de falhas e detalhes da guerra do Afeganistão não afetem as operações das forças internacionais no país asiático.

 

Veja também:

linkDocumentos revelam detalhes sobre guerra no Afeganistão

linkWikileaks: documentos denunciam crimes de guerra

linkEUA condenam vazamento de informações

 

O secretário de Exteriores do Reino Unido, William Hague, disse que houve um progresso significante recentemente no fortalecimento do Estado afegão. "Espero que essas informações vazadas não contaminem essa atmosfera", disse o britânico.

 

Em discurso na sede da União Europeia, o ministro de Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, alertou para possíveis "retrocessos" e pediu que todas as partes envolvidas na guerra do Afeganistão que trabalhem pela reconciliação nacional.

 

O material, publicado pelos jornais New York Times, The Guardian e Der Spiegel, revela detalhes minuciosos da guerra empreendida pelos EUA e pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) desde 2001 e consiste em um dos maiores vazamentos de documentos secretos da história americana.

 

Os mais de 91 mil documentos secretos relacionados à guerra do Afeganistão revelam um grande crescimento da força da insurgência Taleban e que as tropas do Paquistão estão ajudando os rebeldes no território afegão. A Otan se recusou a comentar a divulgação das informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.