Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Otan reconhece viver fase 'desafiadora' com a Rússia

Ministros se reúnem com representante russo, mas acordo sobre Kosovo e controle de armas não é alcançado

Reuters,

07 de dezembro de 2007 | 14h36

Ministros de relações exteriores dos países que formam a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) reunidos em Bruxelas reconheceram nesta sexta-feira, 7, a existência de crescentes dificuldades nas relações entre a aliança militar e a Rússia, informou a agência Reuters. O grupo anunciou, no entanto, que irá trabalhar para solucionar as disputas sobre a situação em Kosovo e relativas ao controle de armas na Europa.   Veja também:   Vice-premiê russo defende paridade nuclear com os EUA   Em uma declaração conjunta, os ministros fizeram referências inusuais às divergências existentes entre os dois inimigos durante a Guerra Fria.   "Dez anos após a assinatura do ato que firmou a parceria entre a Otan e a Rússia, esta amizade entra e uma fase desafiadora", diz o texto, referindo-se à diminuição da rivalidade após o colapso da União Soviética.   "Nós valorizamos e queremos continuar nosso diálogo contínuo e construtivo com a Rússia, incluindo em assuntos com os quais discordamos", disseram os ministros após a reunião em Bruxelas.   Como era esperado, os ministros não conseguiram diminuir as diferenças com Moscou acerca do futuro da província servia de Kosovo e do abandono russo de um importante ato sobre controle de armas no continente Europeu. As questões foram discutidas em uma reunião entre os ministros e o representante russo Sergei Lavrov.   Ao contrário da Otan, a Rússia opõe-se às inspirações separatistas de Kosovo, que ameaça anunciar independência unilateralmente desde que as negociações com a Sérvia entraram em colapso. Sobre o controle de armas, a Rússia abandonou no começo do ano um tratado que estabelece limitações aos números de tropas presentes na Europa em retaliação à demanda dos Estados Unidos para construir um escudo antimísseis em países do leste do continente.   "Fechamos as lacunas? Não", disse um porta-voz da aliança.   Lavrov reiterou as demandas russas de que as mediações internacionais para que um acordo entre Belgrado e Pristina sobre o futuro de Kosovo seja estendida para além do prazo de 10 de dezembro, como havia sido estabelecido por países ocidentais.   "Vamos continuar a negociar e esperamos que um acordo comum seja alcançado", disse Lavrov.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaKosovoOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.