Otan teme que ciberterrorismo se torne ameaça global

Organização teme hackers, que já ultrapassam os sistemas de segurança dos serviços de inteligência nacionais

06 de março de 2008 | 18h30

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) manifestou sua crescente preocupação com o ciberterrorismo, que considera uma ameaça global similar a um ataque militar com mísseis, informou o jornal The Guardian. "A defesa cibernética alcançou um nível tão elevado quanto uma defesa militar", afirmou Suleyman Anil, líder da Otan para ataques por meio da informática. "Esses tipos de ataques são cada vez mais freqüentes e pode se transformar numa ameaça global", acrescentou. Segundo especialistas, o ciberterrorismo é uma ameaça real que existe desde a década de 80, mas que nos últimos anos se tornou uma grande preocupação para governos do mundo todo.  O representante da Otan afirmou que os membros da organização se mostram cada vez mais interessados pelos mecanismos de defesa contra a ameaça. Especialistas bancários, agentes policiais e técnicos de informática trabalham parar descobrir nova maneiras para combater os crimes pela internet. Os Estados Unidos e a China enfrentam há meses esse tipo de ataque - os hackers já conseguem ultrapassar os sistemas de segurança dos serviços de inteligência nacionais.  Segundo o Guardian, com um simples computador ainda é possível a qualquer pessoa comprar um arsenal de guerra.

Tudo o que sabemos sobre:
ciberterrorismoOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.