Pacote-bomba deixa um morto em prédio no centro de Paris

Cinco pessoas ficaram feridas; alvo estava em prédio que abriga instituto judeu e antigo escritório de Sarkozy

Efe, Reuters e Associated Press,

06 de dezembro de 2007 | 11h18

Uma pessoa morreu e pelo menos cinco ficaram feridas nesta quinta-feira, 6, devido à explosão de um pacote-bomba no edifício que abriga o escritório de advogados em que trabalhava o presidente da França, Nicolas Sarkozy, informou o Ministério do Interior francês.   Um dos feridos está em estado grave, e várias pessoas entraram em estado de choque.   "Alguém veio ao escritório e deixou um pacote. A secretária que o abriu na verdade acionou uma bomba, que a matou", disse uma autoridade francesa. Ainda segundo ele, o ferido em estado grave é um advogado que trabalhava com a vítima fatal.   De acordo com a promotoria francesa, o pacote que explodiu estava endereçado a alguém que trabalha num andar diferente do local em que o escritório do presidente está situado.   Além da antiga firma de advocacia do presidente, o prédio abriga uma fundação que estuda o Holocausto. As autoridades informaram, no entanto, que ainda não está claro o motivo do ataque.   A polícia esvaziou o local e desativou um segundo pacote suspeito recebido pelo mesmo destinatário, situado no quarto andar do prédio. Ainda não se sabe se houve um telefonema prévio alertando sobre a ameaça.   De acordo com o prefeito de Paris, Bertrand Delanoe, o escritório atingido fica no mesmo andar da Fundação pela Memória de Shoah, uma entidade criada em 2000 com fundos que haviam sido confiscados dos judeus franceses durante a 2ª Guerra Mundial. A fundação apóia pesquisas e projetos de educação sobre o Holocausto e cultura judaica.   O edifício de seis andares localizado zona oeste de Paris possui diversos escritórios de advogados, entre eles um da antiga firma em que trabalhou Sarkozy. O prédio fica no Boulevard des Malesherbes.   Segundo as fontes, altos comandantes da polícia estão no local, situado em uma zona central de Paris.   O escritório de advocacia aberto por Sarkozy e outros dois advogados localizado no prédio não respondeu às ligações telefônicas feitas na tarde desta quinta-feira. A empresa foi inaugurada em 1987, e mudou seu nome de Arnaud Claude-Nicolas Sarkozy para Arnaud Claude e Associados após a eleição de Sarkozy em maio.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaexplosãoNicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.