Pai de atirador alemão será indiciado por homicídio culposo

Tim Kretschmer, de 17 anos, matou 15 em escola com pistola do pai, que guardava de 4,6 mil balas em casa

Efe,

16 de março de 2009 | 16h30

A promotoria da cidade de Waiblingen (sul da Alemanha) abriu inquérito por homicídio culposo contra o pai do jovem de 17 anos que na semana passada matou 15 pessoas, a maioria alunos ou professores de sua antiga escola, e se suicidou em seguida. Segundo fontes policiais, as investigações se concentram no fato de o pai possuir em casa cerca de 4.600 balas e não ter guardado em uma caixa-forte a pistola Beretta com a qual o rapaz cometeu os assassinatos.

 

Veja também:

linkApós massacre na Alemanha, Europa e EUA discutem violência

especialEspecial: Cronologia dos principais ataques contra escolas

linkPais desmentem que atirador alemão esteve em tratamento

 

Na quarta-feira passada, Tim Kretschmer, de 17 anos, invadiu sua ex-escola na localidade alemã de Winnenden, no estado federado de Baden-Württemberg, e matou a queima-roupa nove alunos e três professoras. Kretschmer fugiu logo em seguida e, durante a fuga, matou mais três pessoas. Por fim, se suicidou ao ver-se encurralado pela polícia.

 

Além da pistola Beretta, que aparentemente estava em um quarto, o pai tinha outras 16 armas guardadas em uma caixa-forte, da qual, segundo os investigadores, o rapaz conhecia a senha. As aulas foram retomadas hoje em Winnenden de forma voluntária e em centros alternativos.

 

Crianças e adolescentes que optaram por voltar às salas de aula chegaram de ônibus aos seis centros municipais habilitados para desempenhar o papel de colégio enquanto o futuro da escola onde os crimes ocorreram é decidido.

 

Professores, pedagogos e psicólogos se encarregam desde a manhã desta segunda-feira de dividir as turmas e dar assistência aos alunos. As autoridades locais não decidiram ainda se a escola voltará a ser utilizada como centro de ensino ou se será demolida.

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanhaatirador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.