Pais de Madeleine voltam ao Reino Unido neste domingo

A volta, que estava prevista para sexta-feira, foi adiada após o casal ter sido considerado suspeito pela polícia

EFE

09 de setembro de 2007 | 02h53

Os pais da menina Madeleine, Kate e Gerry McCann, voltaram neste domingo,9, ao Reino Unido com o consentimento da polícia portuguesa, que os considera suspeitos do desaparecimento de sua filha, informaram meios de comunicação lusos e britânicos.Os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, negaram hoje qualquer participação no desaparecimento de sua filha, em comunicado lido pelo porta-voz da família após a decolagem do avião que os leva de volta ao Reino Unido.Justine McGuinness, assessora de imprensa do casal, leu para os jornalistas no aeroporto um texto no qual os pais da menina expressam sua decisão de reintegrar seus outros dois filhos gêmeos de dois anos à vida normal em seu país, após os eventos "muito perturbadores" dos últimos dias.Os McCann, considerados pela Polícia suspeitos da morte acidental e da ocultação do cadáver de sua filha, asseguram também que embarcaram no vôo regular rumo ao Reino Unido com o "total consentimento" das autoridades portuguesas. Limpar seu nome Horas antes, fontes da família tinham assegurado num encontro com jornalistas britânicos que o casal tinha decidido permanecer em Portugal para limpar seu nome, embora estivessem muito transtornados com o andamento dos acontecimentos.Os porta-vozes da família asseguraram que a viagem do casal acontece com o consentimento das autoridades portuguesas.Segundo fontes oficiais, Kate e Gerry McCann não informaram formalmente sobre sua saída de Portugal hoje à Polícia Judiciária portuguesa, mas as autoridades estavam a par da viagem e não os impediram. A imprensa portuguesa repercutiu rapidamente as informações de fontes oficiais portuguesas no sentido de que essa comunicação formal aos responsáveis da investigação não tinha acontecido.Kate e Gerry podiam sair livremente do país, porque a única restrição imposta como suspeitos foi a de estar sujeitos a "controle de identidade" e comunicar ausências superiores a cinco dias de seu domicílio habitual, o que foi fixado por seu advogado em sua residência do Reino Unido.A legislação portuguesa prevê que os suspeitos podem ser levados ao juiz de instrução, interrogados e inclusive retidos em prisão preventiva, mas não está claro agora como as autoridades de Portugal se comunicarão legalmente com os McCann fora de sua jurisdição territorial.  Declarados suspeitos Após terem sido declarados oficialmente suspeitos, os McCann permaneceram neste sábado,8, reclusos em sua casa alugada na praia da Luz, nas proximidades de onde sua filha de 4 anos desapareceu no dia 3 de maio. O casal, que quis passar o dia em família, com seus dois filhos gêmeos de dois anos, preferiu não ler os jornais e sequer foram à missa, como fazem todos os dias. Apesar de as suspeitas policiais que pesam sobre os pais de Madeleine não terem sido divulgadas formalmente, diversas fontes ligadas à investigação afirmam que se trata de homicídio involuntário e ocultação de cadáver. O casal de médicos britânicos, que obteve atenção por parte de meios de comunicação do mundo todo, e doações e recompensas milionárias para encontrar a menina, passou em poucas horas do papel de vítima para o de suspeito, após a descoberta de rastros de sangue e de outros vestígios em sua casa, em seu automóvel e em alguns objetos pessoais. Kate McCann, que foi interrogada por 16 horas, antes de Gerry, e voltou na sexta-feira abatida ao apartamento alugado na praia da Luz depois de ter sido declarada suspeita pela polícia portuguesa.  Tal condição facilitará as investigações da polícia, mas também permitirá aos pais de Madeleine evitar declarar ou responder a perguntas que possam prejudicá-los. Vários familiares e porta-vozes do casal afirmaram que Gerry e Kate consideram ridículas as últimas suspeitas, mas que estão profundamente preocupados pela volta dada nas investigações sobre o desaparecimento de Maddie. A imprensa portuguesa publicou nas últimas semanas várias filtragens da polícia que envolviam os pais em diversas hipóteses sobre a morte de Madeleine, desde um acidente violento à administração de remédios ou tranqüilizantes. No entanto, alguns meios de comunicação comentaram hoje com preocupação as críticas à polícia lusa feitas por parentes amigos dos McCann no Reino Unido, onde se colocou em dúvida a seriedade das acusações do órgão e inclusive houve denúncias de fabricação de provas.

Tudo o que sabemos sobre:
Madeleine

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.