Bloomberg photo / Pau Barrena
Bloomberg photo / Pau Barrena

Pais e alunos separatistas ocupam escolas na Catalunha

Estratégia é tentar garantir a abertura das instituições na manhã de domingo, quando terá início a votação sobre a independência

Andrei Netto, enviado especial / Barcelona, O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2017 | 13h12

BARCELONA - Pais e estudantes ocuparam cerca de 70 escolas da Catalunha ao longo deste sábado, 30, em uma estratégia para tentar garantir a abertura das instituições na manhã de domingo, quando deverá ser realizado o plebiscito de independência em relação à Espanha. Em Barcelona, a atmosfera nas escolas era de reunião comunitária, com almoço coletivo e atividades como sessão de cinema previstas para a noite.

As escolas estão no centro da disputa entre o governo da Catalunha, que organiza e patrocina o plebiscito sobre a independência, e o de Madri, que enviou mais de 10 mil policiais para garantir o fechamento das instituições e tentar impedir a votação.

Um dos colégios ocupados em Barcelona é a Escola Collaso I Gil, situada em Carrer de Sant Pau, no centro da capital, que na noite de sexta-feira havia sido ocupada e a seguir evacuada pela intervenção dos Mossos d’Esquadra, a polícia regional da Catalunha. Ao longo do dia, entretanto, pais e estudantes voltaram ao pátio da escola.

"Às 6h da manhã, a polícia vai se apresentar e a única forma de evitar que fechem a escola é estar aqui em grande número", afirmou Silvia Panades, enfermeira que vestia uma camiseta pedindo democracia na Catalunha. "Se a votação não acontecer, o governo vai convocar novas eleições e, então, veremos. Mas seja de uma forma ou de outra, vamos tentar realizar o plebiscito, para contar quantos são favoráveis ao 'sim'. Este é um passo para contar quantos somos." 

Outro a participar da iniciativa de garantir a abertura das escolas hoje era o médico Eric Forsbert. "Este movimento depende da força popular. Não estamos em um movimento popular impulsionado por partidos, mas pelas pessoas que querem a independência da Catalunha", justificou. "Ocupar as escolas é mais uma ramificação desse movimento popular."

Até o final da tarde de hoje, horário local, a polícia não havia intervido nas escolas. A promessa do chefe de polícia, Josep Lluís Trapero, é de que a desocupação será realizada a partir das 6h, mas sem violência. Os policiais serão impedidos de usar a repressão ou bombas de gás para tentar liberar os prédios públicos. Por outro lado, em caso de distúrbios à ordem pública, a polícia nacional poderá ser chamada a intervir. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.