Países europeus estudam como salvar iraniana condenada, diz França

Nações avaliam 'todos os meios', informa a porta-voz da chancelaria de Paris

Efe

16 de agosto de 2010 | 11h40

PARIS - Vários países europeus estão analisando "todos os meios" para salvar a vida de Sakineh Mohammadi Ashtiani, a mulher iraniana acusada de adultério e assassinato e condenada à morte, informou nesta segunda-feira, 16, a porta-voz do Ministério de Exteriores francês Christine Fages.

 

Veja também:

linkCasal é apedrejado pelo Taleban

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

 

"A França, junto a seus parceiros europeus, examina atualmente todos os meios para evitar que a condenação de Sakineh Mohammadi Ashtiani seja executada", disse a porta-voz.

 

Desde que foi divulgada a informação sobre a condenação de Sakineh, tanto a França quanto outros países europeus pediram ao Irã que desista da execução e que respeite seus compromissos internacionais, como o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos, lembrou a diplomacia francesa.

 

"Estamos extremamente preocupados com as declarações do ex-advogado de Sakineh, Mohammad Mostafaei, segundo as quais ela teria sido vítima de torturas" para confessar, disse Christine.

 

A França "lembra sua oposição à pena de morte em todos os lugares e em todas as circunstâncias e pede que as autoridades iranianas estabeleçam uma moratória geral sobre as execuções, com o objetivo de abolir a pena capital", declarou a porta-voz.

 

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações ilícitas com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Primeiramente a pena foi de 99 chibatadas, depois convertida em morte por apedrejamento.

 

Em julho deste ano, seu advogado Mohammad Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

 

O governo brasileiro ofereceu refúgio a Sakineh, o que foi rejeitado por Teerã. A pena de morte foi mantida por um tribunal de apelações, que acrescentou ao caso a acusação de conspiração para a morte do marido.

Tudo o que sabemos sobre:
apedrejamentoIrãSakinehSharia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.