Países europeus sofrem ameaça de atentado

Telefonema para base americana na Alemanha e carro-bomba na Turquia colocam autoridades em alerta

Agências internacionais,

11 de setembro de 2007 | 07h45

Duas ameaças de atentados colocaram autoridades européias em alerta na véspera do aniversário dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA. Na noite de segunda-feira, um telefonema alertou para um explosivo de grande porte na base militar americana na Alemanha e um microônibus com 300 kg de explosivos foi encontrado em um estacionamento em Ancara, na Turquia.   Veja também: Doentes, heróis reclamam de abandono  ''EUA erram ao reduzir Al-Qaeda a Bin Laden'', diz Jason Burke Galeria de fotos do aniversário de 6 anos do atentado Novo vídeo de Bin Laden elogia suicida de 11 de Setembro Trecho do novo vídeo para download  Barba negra de Bin Laden intriga os EUA Al-Qaeda se reagrupa e volta a ameaçar os EUA Os maiores ataques da Al-Qaeda desde 11/9 Na semana passada, três homens foram presos na Alemanha e outros dez são procurados por uma tentativa de cometer um atentado com bomba em maiores proporções do que os realizados em Madrid e Londres.    Segundo um porta-voz dos militares anunciou nesta terça, as tropas dos Estados Unidos na Alemanha levavam "muito a sério" o telefonema anônimo em que um homem ameaçou atacar a base, situada na região alemã da Renânia-Palatinado. Um porta-voz da Polícia alemã, em Treveris, confirmou que a ameaça foi feita na noite de segunda e os militares americanos tomaram medidas imediatas. O telefonema anônimo provocou o desdobramento de um grande dispositivo de segurança no interior e exterior da base. Um grande número de policiais alemães se dirigiu ao local para controlar o perímetro. Aparentemente o anônimo afirmou que lançaria um ataque contra a base aérea de Spangdahlem com a ajuda de pelo menos quatro cúmplices, usando explosivos. Ele falava em alemão, com sotaque estrangeiro, talvez russo ou turco, disse o porta-voz da Polícia alemã. Na base aérea de Spangdahlem vivem e trabalham cerca de 14 mil pessoas. Até o momento não foi encontrado nada suspeito por perto.   Na Turquia, toda a área em que o veículo com explosivos foi encontrado foi esvaziada. O governador de Ancara, Kemal Unal, confirmou que havia "uma grande quantidade" de nitrato de sódio no microônibus, que também tinha a chapa falsificada. A carga foi achada com a ajuda de um cão farejador, especializado na detecção de drogas.   O governador explicou que as forças de segurança estão realizando batidas para evitar possíveis atentados por causa do aniversário dos ataques de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos.   Em novembro de 2003, mais de 60 pessoas foram mortas após ataques suicidas apoiados pela Al-Qaeda em duas sinagogas, o consulado britânico e uma agência bancária em Istambul.   Ataque frustrado A captura dos três ativistas da União para a Jihad Islâmica, dois alemães e um turco, na terça-feira passada, foram presos quando transportavam materiais químicos que serviriam para a construção de uma bomba. Em entrevista coletiva após o anúncio das prisões, a procuradora federal alemã, Monika Harms, informou que não poderia confirmar relatos de que os acusados tinham como objetivo atacar o aeroporto de Frankfurt e a base militar dos EUA em Ramstein, mas disse que eles estavam observando instalações como discotecas, bares e aeroportos. As prisões aconteceram no mesmo dia em que a polícia dinamarquesa prendeu oito jovens muçulmanos que supostamente planejavam um ataque a bomba e que teriam ligações com a Al-Qaeda. Autoridades alemãs não afirmaram se há uma ligação entre os presos e o suposto plano na Dinamarca. O grupo já vinha sendo observado pela polícia há várias semanas e os preparativos para os atentados já estariam bastante adiantados. A Alemanha, que tem soldados no Afeganistão, está em um alto nível de alerta para ataques. O país teme um reaparecimento de grupos militantes islâmicos desde 2001, quando a cidade de Hamburgo foi usada como base para o planejamento dos ataques de 11 de setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
11 de setembroameaçaatentadoAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.