Pandas iniciam 'lua-de-mel' na França

Dois pandas gigantes levados no fim de semana da China para a França aparentemente se adaptaram bem ao novo lar, e já encontraram tempo para um momento de intimidade no romântico cenário do vale do Loire.

MOURAD GUICHARD, REUTERS

17 de janeiro de 2012 | 17h40

Yuan Zi (cujo nome significa "gordinho") engoliu em dois tempos o seu prato favorito, brotos de bambu, na jaula onde viverá a partir de agora, no ZooParc de Beauval, perto do rio Loire, considerado um dos 15 zoológicos mais bonitos do mundo.

Já Huan Huan ("feliz") passeou pelo novo ambiente, aparentemente demarcando o território, antes de se juntar ao parceiro entre bambus, na primeira demonstração de afeto em solo francês.

Os tratadores Rodolphe e Delphine Delord cruzam os dedos para que os pandas -que foram criados juntos e têm apenas três anos- sejam flechados pelo cupido, mesmo que ainda demore para que eles tenham pandinhas.

"Eles ainda não estão sexualmente maduros", disse Rodolphe à Reuters. "Embora sejam geneticamente compatíveis, ainda teremos de esperar três anos antes da primeira cria. Aí provavelmente serão gêmeos, como em 50 por cento dos casos com pandas."

Yuan Zi e Huan Huan passarão dez anos emprestados ao zoo francês, num tradicional gesto diplomático da China para se aproximar de outros países.

A China espera que a "diplomacia do panda", instituída na década de 1950, contribua para a melhoria das relações com Paris, abaladas em 2008 quando ativistas pró-Tibete atrapalharam em Paris o percursos da tocha olímpica que seguia para Pequim.

A China se sentiu ultrajada com o fato, e desde então o governo francês se empenha numa reaproximação.

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAPANDASLUADEMEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.