Reuters
Reuters

Papa Bento XVI visita região atingida por terremoto na Itália

Pontífice se encontra com desabrigados e visita basílica com túmulo do papa Celestino V, atingida pelo tremor

Ansa,

28 de abril de 2009 | 07h28

O papa Bento XVI visitou nesta manhã a região de Abruzzo, área atingida por um terremoto no último dia 6, onde percorreu as cidades mais atingidas pelo desastre, demonstrando sua comoção pela tragédia que deixou 296 mortos.

 

A primeira etapa da viagem foi Onna, localidade com cerca de 300 habitantes e que teve 90% de suas edificações destruídas pelo tremor. Bento XVI chegou à cidade por volta das 10h30 locais (5h30 em Brasília), uma hora após o horário de seu programa oficial, devido ao mau tempo, que fez com que ele trocasse o avião pela viagem de carro. "Admiro a coragem, a dignidade e a fé com que vocês têm enfrentado esta dura prova, manifestando grande vontade de não ceder às adversidades", disse o Pontífice em um dos acampamentos montados para desabrigados em Onna.

 

O Papa expressou também sua "cordial proximidade" aos sobreviventes do terremoto, se reuniu com as autoridades locais, como o chefe da Defesa Civil, Guido Bertolaso, o bispo de Áquila, Giuseppe Molinari, e o padre de Onna, Cesare Cordozzo, e realizou uma oração.

 

Depois, o Pontífice se dirigiu a Áquila, capital de Abruzzo, acompanhado por Bertolaso, pelo subsecretário da presidência do Conselho, Gianni Letta, e pelo arcebispo de L'Aquila, Giuseppe Molinari. Na cidade, epicentro do tremor, Bento XVI visitou a Basílica de Santa Maria di Collemaggio, que abriga o túmulo do papa Celestino V e que foi parcialmente destruída, orou e depositou o pálio papal, que recebeu no início de seu pontificado, sobre a urna que guarda os restos de Celestino V.

 

Em um momento de grande comoção, o Pontífice encontrou sobreviventes do desabamento da Casa do Estudante, onde oito jovens faleceram. "Mencionar todos, para mim, é difícil, mas eu quero dirigir uma palavra especial de agradecimento. Obrigado pelo que fizeram e, sobretudo, pelo amor com que fizeram. Obrigado pelo exemplo que deram. Vão adiante unidos e coordenados, pois assim poderão tomar o quanto antes soluções eficazes para os que hoje vivem nas tendas. Eu desejo de coração e rezo para isto", disse.

 

Bento XVI comentou ainda que tem "no coração todas as vítimas da catástrofe, crianças, jovens, adultos, idosos, sejam de Abruzzo, de outras regiões da Itália ou de outras nações". "Tocou-me o coração ferido desta cidade", disse o Papa emocionado, explicando que "foi muito comovente rezar diante da Casa do Estudante, onde não poucas vidas jovens foram abreviadas pela violência do abalo". "Atravessando a cidade, tomei mais ciência do quão graves foram as consequências deste terremoto", afirmou. Bento XVI retornou a Roma de carro após a visita.

 

Matéria atualizada às 9h40.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.