Papa chega a povoado italiano destruído por terremoto

Bento XVI disse que a resposta para tremor deve se 'transformar em um projeto estável e concreto no tempo'

Efe,

28 de abril de 2009 | 06h52

O papa Bento XVI chegou nesta terça-feira, 28, a Onna, o povoado que ficou praticamente destruído no terremoto de 6 de abril e primeira etapa de sua visita de pouco mais de cinco horas à região da região central italiana de Abruzzos, sacudida pelo sismo que deixou 296 mortos e vários milhares de feridos.

 

O pontífice tinha previsto viajar a Abruzzos de helicóptero, mas devido ao mau tempo em Roma e na região, distantes 88 quilômetros, teve de se trasladar de automóvel.

 

Em Onna, onde morreram 40 de seus 300 habitantes, o papa se dirigiu aos desabrigados, e disse que levava sua solidariedade a uma "terra esplêndida e ferida, que está vivendo dias de grande dor e precariedade".

 

Bento XVI lembrou que desde o primeiro momento esteve ao lado das vítimas e desabrigados, e que acompanhou "com apreensão" todas as notícias sobre o terremoto e os danos causados.

 

"A Igreja está toda aqui, do lado de vocês, partilhamos sua dor e queremos ajudá-los a reconstruir casas, igrejas, empresas destruídas ou seriamente danificadas", afirmou.

 

O pontífice ressaltou que pensava nos muitos jovens "obrigados bruscamente a enfrentar uma dura realidade", nos rapazes que tiveram de interromper a escola, e nos idosos privados de seus lares.

 

Após ressaltar a preocupação dos desabrigados que perderam tudo (casas, economias, trabalho), Bento XVI disse que a resposta para solucionar este problema "não pode se limitar à emergência inicial, mas deve se transformar em um projeto estável e concreto no tempo".

 

"Encorajo a todos, instituições e empresas, para que esta cidade e esta terra ressurjam", manifestou.

 

Após rezar com as várias centenas de pessoa presentes pelas vítimas, o pontífice se transferirá a L'Aquila, a capital da região de Abruzzos.

 

Bento XVI visita a área castigada pelo terremoto acompanhado do subsecretário da Presidência do Governo italiano, Gianni Letta, braço-direito do primeiro-ministro, Silvio Berlusconi.

 

Falso alerta

 

Um falso alerta sobre um iminente novo terremoto, divulgado pela internet, gerou pânico em Abruzzos, região do centro da Itália que ficou devastada no sismo do dia 6 de abril, informa a imprensa local.

O responsável pelo suposto alerta previsão era, segundo o vídeo que circulava pela rede, o especialista Giampaolo Giuliani, que já tinha advertido sobre o movimento telúrico que matou 296 pessoas há três semanas.

Este vídeo reproduzia uma conversa por telefone na qual supostamente Giuliani advertia para um novo movimento telúrico na região.

Giuliani negou a veracidade da gravação e explicou que ela foi montada com a edição de trechos de várias conversas.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaBento XVIpapaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.