Papa nomeia novo camerlengo, cardeal que gere o Vaticano nas transições

O papa Francisco nomeou neste sábado o cardeal francês Jean-Louis Tauran como o novo camerlengo, o cardeal que gere o Vaticano após a morte ou a renúncia de um pontífice.

REUTERS

20 de dezembro de 2014 | 12h13

Tauran, 71 anos, substitui o cardeal italiano Tarcisio Bertone, que completou 80 anos neste mês, idade com que os cardeais não podem mais fazer parte do conclave que elege um papa.

Se o papado fica vago por morte ou renúncia, o camerlengo administra a rotina do Vaticano até que o novo papa seja eleito pelo conclave.

Ele não pode tomar decisões importantes e não pode mudar os ensinamentos da Igreja durante o período de comando interino, conhecido como “Sede Vacante”, ou assento vago.

No caso da morte de um papa, o camerlengo é a pessoa que confirma oficialmente o ocorrido. Pela tradição, para tal confirmação, ele toca a cabeça do papa três vezes com um martelo de prata, chamando o nome do pontífice.

Foi Tauran que disse as palavras "Habemus Papam" (temos um papa) do balcão da Basílica de São Pedro na noite da eleição de Francisco, em março de 2013, e então anunciou o nome do novo papa para o mundo.

(Reportagem de Philip Pullella)

Mais conteúdo sobre:
VATICANOPARACARMELENGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.