Papa pede fim imediato das ações militares na Ossétia do Sul

Em sua mensagem, Bento XVI expressou sua angústia pelos 'trágicos fatos' na região

Efe

10 de agosto de 2008 | 09h17

O papa Bento XVI pediu neste domingo, 10, o "fim imediato das ações militares" na região separatista georgiana da Ossétia do Sul, durante a reza do Ângelus na localidade alpina de Bressanone (Itália), onde passa alguns dias de férias.   Veja também: Geórgia anuncia retirada de tropas da capital da Ossétia do Sul Entenda o conflito separatista na Geórgia Assista ao vídeo no Youtube  Professor comenta a situação no Cáucaso  Galeria de fotos do conflito    "Quero que parem imediatamente as ações militares e que se abstenham, em nome da comum herança cristã, de qualquer tipo de enfrentamento ou represália violenta que possa gerar um conflito de maior alcance", afirmou.   Em sua mensagem, Bento XVI expressou sua "angústia" pelos "trágicos fatos" na Geórgia, "que causaram tantas vítimas inocentes e obrigou um grande número de civis a abandonar suas casas", e pediu a volta, "de maneira determinante, ao caminho das negociações e do diálogo".   Além disso, pediu que a comunidade internacional e "os países mais influentes" realizem todos os esforços possíveis para promover iniciativas "que sirvam para alcançar uma solução pacífica e duradoura, a favor de uma convivência aberta e respeitosa".   O pontífice afirmou que, junto com os "irmãos ortodoxos", "reza intensamente" para conseguir o fim da violência na Geórgia e a volta ao diálogo.

Tudo o que sabemos sobre:
PapaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.