Papa termina hoje visita ao Reino Unido beatificando cardeal Newman

Religioso é considerado um dos 'pais espirituais' do Concílio Vaticano II, que influenciou na formação de Bento XVI

Efe

19 de setembro de 2010 | 09h32

Inesquecível. Esta foi a primeira beatificação dirigida pessoalmente pelo papa Bento XVI

 

 

BIRMINGHAM - Bento XVI beatificou neste domingo, 19, em Birmingham, no centro da Inglaterra, o cardeal britânico John Henry Newman (1801-1890), considerado um dos "pais espirituais" do Concílio Vaticano II, um reconhecido intelectual, que influenciou na formação do papa Ratzinger.

 

Esta foi a primeira beatificação dirigida pessoalmente por Bento XVI, que após chegar ao Pontificado retomou a tradição dos papas de não presidir estas cerimônias, levando em consideração que a beatificação autoriza o culto local, onde nasceu e exerceu o beato, enquanto o canonização leva ao culto universal, daí que seja uma prerrogativa do papa.

 

Bento XVI quis ressaltar beatificando a Newman a categoria universal do cardeal londrino.

 

A cerimônia foi celebrada no Cofton Park, nos arredores de Birmingham, perto dos Oratórios de São Felipe Neri na Inglaterra (Grã-Bretanha), fundados pelo cardeal, onde ele está sepultado.

 

O papa o proclamou beato diante da presença de 70 mil pessoas, vindas de toda Grã-Bretanha, em uma amanhã chuvosa.

 

Após ser proclamado beato foi descoberta uma foto em tamanho gigante do novo beato colocada no altar maior e soou música sacra, enquanto os milhares de presentes aplaudiram.

 

À proclamação assistiu o ex-juiz e diácono americano Jack Sullivan, de 71 anos, que ficou curado de forma inexplicável para a ciência de uma doença incurável na medula espinhal, após rezar a Newman. O Vaticano reconheceu a cura como o milagre.

 

Bento XVI anunciou que a festividade do novo beato será em 9 de outubro, data em que ele entrou para Igreja Católica após a conversão do anglicanismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.