Para muitos franceses Strauss-Kahn se tornou inelegível

Eleitores franceses de todas as correntes ficaram chocados com a notícia, neste domingo, que o homem que as pesquisas de opinião previam que seria o próximo presidente do país havia sido acusado de abusar sexualmente de uma camareira de um hotel nos EUA.

ALEXANDRIA SAGE, REUTERS

15 de maio de 2011 | 16h01

O chefe do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foi preso em Nova York depois que uma camareira alegou que ele havia corrido nu atrás dela no corredor do hotel, a atacou sexualmente e tentou trancá-la em um quarto de hotel.

A esposa de Strauss-Kahn, Anne Sinclair, disse que não acreditava nas acusações e que não tinha a menor dúvida que ele seria inocentado. O advogado de Strauss-Kahn disse que ele vai declarar que é inocente.

"É angustiante para a França. Temos dois homens valiosos, tanto profissional, quanto intelectualmente, (Jean-Claude) Trichet e ele. É uma pena arruinar uma carreira por causa de sexo", disse Odiel, uma pintora que mora perto da casa de Strauss, em Paris, no elegante 16o distrito.

Ex-ministro de Finanças e diretor administrativo do Fundo Monetário Internacional ao longo de toda a crise econômica global, Strauss-Kahn é uma das figuras de maior destaque da França, assim como o chefe do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet.

"Sua trajetória tem sido quase magnífica. Ele estava no topo das pesquisas. Ele era o único que poderia vencer o presidente Nicolas Sarkozy. Acho isso estranho", disse Eric Morel, de 65 anos, que também mora perto de Strauss-Kahn.

Strauss-Kahn, de 62 anos, tem grande apoio na elite política e empresarial da França, que acreditava que a sua carreira internacional de prestígio e imagem erudita trariam uma mudança saudável depois de Sarkozy, criticado por ser impulsivo e insolente demais.

Em vez disso, a prisão dele, descrita pela líder do Partido Socialista, Martine Aubry, como um "desastre", tira do caminho o principal rival de Sarkozy da corrida presidencial para as eleições de abril de 2012, e ameaça manchar a futura campanha eleitoral.

"Ele decididamente está fora das primárias e da corrida presidencial para o Partido Socialista", disse à Reuters TV Philippe Martinat, que publicou um livro no ano passado sobre a rivalidade entre Strauss-Kahn e Sarkozy.

A imponente Place des Vosges, onde os Strauss-Kahn também têm uma residência de luxo, estava em alvoroço desde o início da manhã, com a notícia do escândalo. Moradores e lojistas descreveram Strauss-Kahn como uma pessoa gentil e carismática, que frequenta os cafés da região sem seus seguranças.

"A pergunta é: será que foi uma armação?", disse o vizinho Bernard Thomas. "Estou chocado. Sempre vi o homem público, amigo, discreto e simpático na vizinhança. Isso é terrível para o Partido Socialista, isso muda as cartas."

A gravidade do suposto crime significa que a reputação de Strauss-Kahn não será poupada pelo hábito cultural da França de fazer vista grossa aos escândalos sexuais de seus políticos, como aconteceu em 2008, quando o próprio Strauss-Kahn saiu pedindo desculpas, mas ileso, de um escândalo sobre um caso com uma economista do FMI.

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCASTRAUSSKAHNINELEGIVEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.